Sempre tive o gosto pelas viagens e comecei a viajar muito cedo. Mais tarde, tive a sorte de trabalhar numa companhia aérea e, por isso, continuei a visitar imensos países lindíssimos, a perceber outras culturas e formas de estar. Encontrei o interesse e a prática para levar ao mundo da criança os afetos e a qualidade do tempo em família.

Por este motivo, e por achar que todas as crianças merecem o melhor, decidi estudar e trazer para Portugal algumas dessas matérias que faço refletir nos meus trabalhos e nos meus livros de conto infantil. Encontrei algumas pessoas experientes, a nível nacional e internacional, que se interessam e estudam com resultados no seio das famílias e que comprovam que é possível mudar, melhorar e ajudar o mundo da criança.

A hora de dormir assumiu desde sempre, na generalidade das famílias, um momento e intimidade e de partilha entre pais e filhos, em que as histórias de encantar tinham um papel de destaque. Recordar esses momentos traz à memória de toda uma geração boas e gratas recordações, momentos em familia cheios de afeto e intimidade em que a história preferida era repetida noite após noite, pela voz tranquilizante de um dos progenitores, através de livros cuidadamente ilustrados, plenos de imagens mimosas a reter o olhar dos mais pequenos que seguiam as histórias atentamente até o sono chegar. Mas será que as crianças de hoje em dia vão poder ter este tipo de recordações daqui a alguns anos?

Com a vida agitada da maior parte das famílias, a tradição de contar histórias aos mais novos diariamente quando chega a hora de dormir foi-se perdendo e, de acordo com os especialistas, é urgente resgatá-la, fomentando os momentos de união entre pais e filhos. Para Mário Cordeiro, um excelente pediatra e autor de “O Grande Livro do Bebé”, “O Livro da Criança” e “O Grande Livro do Adolescente”, “as histórias infantis não existem por acaso, foram-se desenvolvendo ao longo do tempo, com vista a dar prazer, a ensinar, a entreter e a exemplificar, mas também a veicular modelos, conceções, dilemas éticos e normas de conduta, assim como a revelar eventuais percursos de vida”.
Numa altura em que existem cada vez mais livros infantis nas livrarias, e uma variedade crescente de histórias on-line é fundamental saber escolher o tema que melhor se adequa a cada criança, tendo sempre presente a sua idade, os seus interesses e a mensagem e valores que cada história transmite e que se adaptam a cada faixa etária.

É importante escolher livros que utilizem uma linguagem positiva e que transmitam os valores, os afetos, a realidade e um pouco de fantasia porque isso é muito importante para a formação intelectual e criativa da criança. Além dos momentos de afeto e segurança, o adulto passa à criança o mundo da fantasia, ao mesmo tempo repleto de factos concretos da vida real.

De acordo com Piaget, a criança, na primeira infância, reage de forma anímica, por isso com os sentidos bem abertos e disponíveis mais tarde, depois dos 7 anos, passa para uma fase mais racional e é, por isso, mais seletiva. Quer explicações lógicas. Contos de fadas que apelam à fantasia, animais que falam e que têm sentimentos. lores e árvores que ajudam a defender o bem como só a Natureza tem força para defender. Histórias repletas de personagens que explicam, com uma maturidade muito avançada, quais os melhores caminhos e escolhas e estes acabam por ser os referenciais de excelência para a criança. Contos provenientes dos quatro cantos do mundo mas que espelham relatos universais, falam de registos transversais a todos os seres humanos. Por exemplo, Rapunzel, a história de uma princesa que descobre que em si mesma está o segredo para a sua libertação, os seus cabelos. Histórias ricas em bons exemplos e palavras encantadas, palavras poderosas. Palavras que falam da importância da família, da honestidade, da auto-estima, da bondade, da verdade, da perseverança, a luta do bem contra o mal, a intervenção divina. São histórias ou contos com palavras fortes, palavras belas, excelentes exemplos, relatos curtos e úteis que querem transmitir ensinamentos básicos que ficam para toda a vida.

Escrever histórias pode vir do inconsciente coletivo, ou da capacidade criativa de cada indivíduo, de acordo com a sua experiência e uma pitada de amor do coração para tornar a história muito querida junto dos mais pequenos.

Ao escolher uma história para ler à criança(s), o adulto deve ter sensibilidade para perceber se há ou não uma mensagem implícita, e que mensagem é esta. Há histórias com conteúdos, valores e parâmetros indicados para crianças e outros não. É util e necessário ter estes conteúdos em consideração pois as crianças absorvem tudo aquilo que ouvem.

Os pais devem começar a conversar com os filhos, a contar-lhes ou a ler-lhes histórias, ainda durante o período de gestação, optando nomeadamente pelas tradicionais histórias de encantar, dado o seu carácter construtivo e transmissor de valores e de exemplos de vida, assim como utilizar uma boa musica ambiente.
Acredito que os mais pequenos são muitas vezes reflexo dos mais velhos que com eles convivem ou vivem. As crianças refletem o seu descontentamento por mau comportamento ou agressividade quando não sabem comunicar de outra forma. Em pequenino é fácil ter medo de manifestar a sua verdade por medo de excessiva autoridade dos pais ou por medo de perder o seu amor.

As crianças são educadas para temer as figuras de autoridade. Pais, professores, amas ou assistentes de educação. Educadas a aceitar sem questionar, começando desde cedo a anular a sua essência. Do adulto esperam a força, o amparo e os parâmetros que o ajudem na adaptação à vida na matéria. Espera que o entenda e que queira mudar junto com ele. Espera que os eduquem com base em atitudes amorosas e atentas à sua natureza. Logo que integrem estas novas técnicas é possivel perceber que se cria uma relação mais fácil. Tenha presente que a mudança começa em si. Amor, Tolerância, Respeito e Aceitação Incondicional devem fazer parte das práticas de educação. Aos educadores são sugeridas novas técnicas como a negociação, comunicação e disciplina.

Mas como a vida não é sempre um conto de fadas, é igualmente importante transmitir desde a realidade às crianças. Como em tudo na vida há o lado bom e o lado mau e é importante que as crianças tenham a noção de que existem dois lados na mesma moeda. Não devemos transmitir-lhes que a vida é um conto de fadas para depois elas chegarem à vida real e perceberem que afinal as coisas não são bem assim.

É importante que o conteúdo das histórias tenha sempre presente o fator realidade, adaptando-o à compreensão da criança, porque existem maneiras melhores e piores de explicar e de transmitir as coisas mais difíceis. Uma ideia partilhada por Mario Cordeiro, que nos diz, “as histórias não precisam de ser ‘melosas’.

Basta atentar na versão original dos contos de fadas, para ver que os príncipes e as princesas, o capuchinho vermelho e os porquinhos, têm de sair da alçada da mãe e enfrentar as bruxas, os monstros e os lobos maus. São histórias que lhes ensinam o que é o percurso de vida, transmitindo a necessidade de conhecer, reconhecer e enfrentar o mal, e cultivar o bem, ‘para serem felizes para sempre’”.

Entre diversos momentos que enternecem e juntam pais e filhos à hora de dormir, alguns podem ser com histórias de encantar. Esta pode ser a alternativa certa para utilizar o poder da palavra, uma vez que as histórias, porque são descontraídas, têm o condão de dizer o que é sério de forma leve e amorosa. Muitos acreditam que os valores só podem ser passados à criança em idade escolar, pois é nessa altura que a criança está capaz de absorver a informação ensinada. Estudos mais recentes mostram exatamente o contrário: é até aos 7 anos de idade que a criança está atenta e integra com imensa rapidez tudo o que a rodeia, pelo que se trata do momento ideal para formar e educar a criança, dando-lhe assim os pilares básicos. Um dos aspetos que valorizamos muitíssimo na vida e educação da criança são os valores. Estes são ensinados com a certeza de que vão fazer parte do desenvolvimento, da atitude e dos resultados da criança para o resto da vida. Através de contos e de filmes que imortalizaram tantas histórias, o dinamarquês Hans Christian Andersen e o norte-americano Walt Disney já acreditavam nisto.

Tão importante como escolher a melhor história é saber contá-la com o tom de voz adequado de maneira a conseguir prender a atenção da criança, para que esta retenha a mensagem de uma forma positiva. Na verdade eu acredito que ninguém aprende coisa alguma pela negativa. Sempre achei que se ensina de forma diplomática, construtiva e serena para que a mensagem seja aceite e interiorizada.

É importante que um conto ou um romance para adolescentes reflita bom senso, partilha, libertação do medo, boas relações humanas, exigência, paz, procura de fortalecimento interno, compreensão que a vida é uma passagem e que o dinheiro não é tudo, prevenção face aos problemas do futuro, investimento na criatividade, regresso as atividades básicas como cultivar a terra - ecologia, educação, estudo, ordem, paz e clareza mental.

A palavra tem um som e o som é o formato mais simples para que uma informação seja captada. Assim, perceber que a palavra é mais do que um conjunto de sons utilizados para chamar alguém, mandar alguém embora ou dar uma ordem e as histórias de encantar na hora de dormir. Pensamentos determinam acções e existe uma relação forte entre as palavras que usamos, o tom que aplicamos e o resultado final é fundamental. As palavras criam impressões, imagens e expectativas, constroem ligações e o tom com que são ditas também. Influenciam tudo na nossa vida e a vida responde na mesma frequência. Pensamentos determinam acções e existe uma relação forte entre as palavras que usamos, o tom que aplicamos e o resultado final. A cada pensamento ou palavra que libertamos, estamos a formar uma realidade e a entrar em contacto com uma certa vibração energética. Emitir palavras com tanto cuidado como se fossem dirigidas para nós é fundamental. É importante utilizar palavras positivas, de bom íntimo, que gerem bem-estar à nossa volta, principalmente quando estão crianças por perto.

Hoje, nascem crianças mais espirituais, com capacidades diferentes e exigências diferentes, e os adultos têm noção deste processo. Nascem crianças com outro nível de consciência, inteligência e espiritualidade mais apurada. Nos EUA, educadores e pais, demonstram um interesse crescente em práticas, crenças e valores espirituais quer na educação quer nos materiais pedagógicos, como por exemplo, os livros. Há uma preocupação genuína em compreender melhor as crianças e aplicar novos conhecimentos no dia-a-dia. Para acompanhar as crianças é necessário que os pais e professores entendam que a espiritualidade é fundamental para estar e educar as crianças do séc. XXI.

A inteligência da criança observa amando e não com indiferença - isso é o que faz ver o invisível. (Maria Montessori, pedagoga italiana)

O poder da palavra

Palavras positivas

Emitir palavras com tanto cuidado como se fossem dirigidas para nós é fundamental. É importante utilizar palavras positivas, de bom íntimo, que gerem bem-estar à nossa volta, principalmente quando estão crianças por perto. Do nascimento aos sete anos, as crianças estão em formação e em contínua transformação. Tanto ao nível físico como mental e espiritual, a criança está a formar a base que fica para o resto da sua vida. É ainda nesta fase que são mais traquinas pois experimentam tudo como só as crianças sabem fazer, sem medo.
O poder da palavra, ou do conceito que a palavra encerra, abre um mundo de possibilidades. Palavras como paz, harmonia, honestidade, coragem, compaixão, força, energia, inteligência, amor, criatividade, saúde, bondade, sabedoria e tantas outras transportam-nos, pelo bem-estar que causam, para um sorriso.
Palavras poderosas

Medite sobre cada uma e sinta o seu poder:

Abundância, amizade, amor, beleza, bondade, caridade, compreensão, concentração, confiança, criatividade, concretizações, desenvoltura, energia,
equilíbrio, felicidade, força, honestidade, harmonia, ilimitado, independência, inspiração, inteligência, justiça, juventude, liberdade, objetivos, orientação,
paz, persistência, poder, realização, sabedoria, saúde, segurança, serenidade, sucesso, útil, vida, vitalidade.

Leituras infantis recomendadas - nacionais

Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada
• Três Fábulas
• Uma Aventura na Escola
• Uma Aventura Debaixo da Terra
Graça Gonçalves
• O Amigo Secreto e a Estrelinha
Aprendiz
• Tchim e o Jardim Encantado
• O Céu Dentro de Ti
Matilde Rosa Araújo
• As Fadas Verdes
• O Gato Dourado
• O Chão e a Estrela
Sophia de Mello Breyner Andresen
• O Rapaz de Bronze
• A Fada Oriana
• A Menina do Mar

Leituras infantis recomendadas - internacionais

JEAN DE LA FONTAINE:
• A Cigarra e a Formiga
• A Raposa e as Uvas

CHARLES PERRAULT:
• Cinderela
• O Barba Azul
• O Gato de Botas
• O Pequeno Polegar

IRMÃOS GRIMM:
• João e Maria
• O Chapeuzinho Vermelho
• A Branca de Neve
• Rapunzel
• A Bela Adormecida

HANS CHRISTIAN HANDERSEN:
• A Pequena Sereia
• O Patinho Feio
• O Soldadinho de Chumbo
• A Princesa e a Ervilha

Por Isabel Leal – www.alegrianainfancia.wixsite.com/index 
(00351) 964210796

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.