No verão, todos, sem exceção, ambicionamos aquele tom bronzeado que apaga a palidez do inverno e as recordações dos dias chuvosos. Quando mais um ciclo se completa e o outono regressa, o bronzeado começa a desvanecer-se e a pele, agredida e ressequida, pede-lhe ajuda. Assim, se reforçar a hidratação é obrigatório, esfoliar a pele é também um gesto fundamental para a recuperar dos estragos das épocas anteriores.

E, se for caso disso, terá mesmo de se despedir do bronzeado que lhe resta. Com a ajuda de Marília Moreira da Fonseca, dermatologista, apresentamos-lhe as razões para a incorporar na sua rotina de beleza. Durante todo o ano. "A esfoliação corporal é um método físico que permite a remoção de células mortas e outros detritos acumulados diariamente na superfície cutânea, dando-lhe um aspeto homogéneo e luminoso", diz.

"Facilita ainda a penetração de cremes hidratantes e de outros, com princípios ativos incorporados, para tratamento de diversas dermatoses", explica ainda Marília Moreira da Fonseca. "No caso de algumas doenças em que se verifica obstrução dos poros por queratina e detritos glandulares, nomeadamente a acne, a esfoliação tem também um papel importante", acrescenta ainda a dermatologista portuguesa.

35 antimanchas para quem não consegue conviver com as imperfeições do rosto
35 antimanchas para quem não consegue conviver com as imperfeições do rosto
Ver artigo

"Muito embora a esfoliação realizada previamente ao verão, ao uniformizar a textura cutânea, permita um bronzeamento mais uniforme e duradouro, implica cuidados acrescidos de foto proteção, já que a pele fica mais fina e exposta à radiação UV", diz. "Após o verão, a esfoliação permite remover o aspeto espessado e descamativo induzido pela exposição solar, cloro das piscinas e banhos de mar, mas encurta a duração do bronzeado", acrescenta ainda a especialista. As fórmulas dos produtos de esfoliação exigem, contudo, algum cuidado no que se refere a este ritual, sob pena de poderem agredir a pele.

As áreas do corpo que mais necessitam de uma esfoliação são as "zonas mais espessadas como os cotovelos, os joelhos e os calcanhares, as eleitas para uma esfoliação ativa. Outras áreas como a face, particularmente se existir tendência acneica, também beneficiam de esfoliações frequentes no sentido de remover o depósito de material secretado pelas glândulas sebáceas", indica a dermatologista.

A periodicidade da esfoliação recomendada

A periodicidade de esfoliação é definida em função do espessamento da pele e da sua sensibilidade. No caso da pele facial seborreica, a esfoliação deve fazer-se diariamente, utilizando-se esfoliantes suaves. "No caso do corpo, por vezes, o espessamento cutâneo traduz algum grau de eczema e a pele responde melhor à hidratação que ao recurso aos esfoliantes físicos, ainda mais potenciadores de irritação cutânea", refere.

Os cosméticos com microcápsulas que fazem milagres pela sua pele
Os cosméticos com microcápsulas que fazem milagres pela sua pele
Ver artigo

Numa pele não sensibilizada, a esfoliação corporal pode ser feita semanalmente. De acordo com Marília Moreira da Fonseca, devemos "escolher esfoliantes com grânulos mais finos para áreas mais sensíveis e mais grossos para as áreas mais espessas e de maior tolerância à agressão". "A pele deve ser humedecida generosamente, com o objetivo de minimizar o atrito dos grânulos incorporados no esfoliante e responsáveis pela remoção dos detritos acumulados na superfície cutânea", acrescenta ainda a dermatologista portuguesa.

Texto: Teresa d'Ornellas com Marília Moreira da Fonseca (dermatologista)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.