O tribunal decidiu que a morte assistida "não é punível" quando um conjunto de condições são cumpridas, como o "consentimento informado" da pessoa, a sedação profunda e o controlo das autoridades de saúde pública, depois de uma opinião do comité de ética local.

Esta era uma decisão muito aguardada devido ao caso de um parlamentar italiano que viu ser aberto um processo no Tribunal em Milão por ajudar um conhecido DJ a morrer em 2017, abrindo caminho para a sua absolvição.

Eutanásia: Países onde a morte assistida é possível
Eutanásia: Países onde a morte assistida é possível
Ver artigo

Marco Cappato, líder do Partido Radical (historicamente favorável ao aborto e à eutanásia), conduziu um famoso DJ italiano à Suíça em 2017 para a morte assistida

Fabiano Antoniani, conhecido como DJ Fabo, ficou tetraplégico e cego após um acidente de carro em 2014.

"Sinto que estou enjaulado, gostaria de poder morrer sem sofrer", escreveu ao Presidente italiano, Sergio Mattarella, antes de pedir a Cappato que o levasse à Suíça para uma morte assistida, aos 40 anos.

Cappato denunciou-se aos tribunais pelo que descreveu como um ato de "desobediência civil", com o objetivo de iniciar um debate sobre a morte assistida.

Na Itália, um país com forte tradição católica, a eutanásia é proibida e o Código Penal pune a "instigação ou assistência ao suicídio" com sentenças entre cinco e 12 anos de prisão.

O Tribunal de Milão, que abriu um processo contra Cappato, tinha pedido ao Tribunal Constitucional em outubro passado esclarecimentos sobre a lei em vigor.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.