O projeto, que está a ser desenvolvido por investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e do CINTESIS, é coordenado por Ricardo Cruz Correia e surge no âmbito da linha de financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia RESEARCH 4 COVID19, tendo sido contemplado com quase 30.000 euros.

“É essencial que os hospitais estejam preparados para agirem proativamente, por antecipação, perante a COVID-19”, alerta o especialista, em comunicado.

O objetivo do projeto é criar uma escala que permita determinar o risco de infeção pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), responsável pela atual pandemia. Entre os parâmetros utilizados para avaliação do risco estão o número de infetados, a gravidade dos casos e o número de profissionais de saúde.

A aplicação desta escala permitirá calcular o nível de risco a cada momento, reorientar as equipas e adequar a capacidade e a oferta do hospital, num curto espaço de tempo, garantindo a segurança e a qualidade dos cuidados prestados.

“Para cada nível da escala de risco COVID-19 há um plano de contingência que transforma a capacidade e disposição da oferta hospitalar, adaptando-as para a gestão de casos da pandemia”, esclarece o coordenador do projeto.

A escolha do Hospital de Ovar para “caso-piloto” prende-se com a existência de uma colaboração prévia e com o impacto da pandemia neste concelho, que esteve um mês em estado de calamidade pública e em cerca sanitária.

Os resultados obtidos têm potencial de replicação a todos os hospitais do SNS e a nível internacional, com impactos esperados na preparação das instituições, na qualidade do serviço, na redução do ‘burnout’ dos profissionais de saúde e na produção de conhecimento científico nesta área.

O projeto tem como parceiros o Hospital Dr. Francisco Zagalo, em Ovar, e a Winning Consulting.

A 17 de março, o Governo declarou o estado de calamidade pública no concelho de Ovar, que no dia seguinte ficou sujeito a cerco sanitário com controlo de entradas e saídas no concelho, e encerramento de toda a atividade empresarial que não envolvesse bens de primeira necessidade. O cordão sanitário foi levantado um mês depois.

Portugal contabiliza 1.105 mortos associados à covid-19 em 26.715 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado na quinta-feira.

Relativamente ao dia anterior, há mais 16 mortos (+1,4%) e mais 533 casos de infeção (+2%).

Das pessoas infetadas, 874 estão hospitalizadas, das quais 135 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados passou de 2.076 para 2.258.

Portugal entrou domingo em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.