O relatório “Prevenir uma década perdida: Ação urgente para inverter o impacto devastador da covid-19 nas crianças e jovens”, hoje apresentado, adianta que a pandemia afetou as crianças “numa escala sem precedentes”, ameaçando-as “a níveis nunca antes vistos”.

Segundo o documento da Unicef, mais de 100 milhões de crianças vivem atualmente em pobreza devido à pandemia, o que representa um aumento de 10% relativamente a 2019.

O número “corresponde a aproximadamente 1,8 crianças por segundo desde meados de março de 2020”, refere a organização, alertando também para o longo caminho de recuperação.

“Mesmo no melhor dos cenários, serão necessários sete a oito anos para recuperar e regressar aos níveis de pobreza infantil pré-covid-19”, estima a Unicef.

Por outro lado, o relatório acrescenta que há mais cerca de 60 milhões de crianças que vivem agora em agregados familiares pobres, em comparação ao período antes da pandemia, e sublinha que, no ano passado, mais de 23 milhões de crianças não tiveram acesso às vacinas essenciais, ou seja, mais quase 4 milhões do que em 2019, e o número mais elevado dos últimos 11 anos.

A publicação destaca que a covid-19 está “a desafiar décadas de progresso em áreas-chave da infância como a pobreza, a saúde, o acesso à educação, a nutrição, a proteção infantil e o bem-estar mental”.

Quase dois anos após o início da pandemia, o impacto da doença continua a crescer, não só aumentando a pobreza, mas “enraizando a desigualdade e ameaçando os direitos das crianças”, considera.

“Ao longo da nossa história, a Unicef ajudou a moldar ambientes mais saudáveis e seguros para as crianças em todo o mundo, com resultados significativos para milhões delas”, afirmou a diretora-executiva da Unicef, Henrietta Forre, citada no documento.

“Estes ganhos estão agora em risco”, alertou, adiantando que “enquanto o número de crianças com fome, fora da escola, vítimas de abusos, que vivem em situação de pobreza ou são forçadas a casar está a aumentar, o número de crianças com acesso a cuidados de saúde, vacinas, nutrição adequada e serviços essenciais está a diminuir”.

No relatório, a organização dá conta de que, mesmo antes da pandemia, cerca de mil milhões de crianças em todo o mundo já viviam pelo menos uma privação grave, nomeadamente no acesso à educação, saúde, habitação, nutrição, saneamento ou água.

A recuperação desequilibrada da pandemia está a “aumentar as divisões entre crianças ricas e pobres”, refere, apontando que “no auge da pandemia, mais de 1,6 mil milhões de alunos estavam fora da escola” devido aos confinamentos e 160 milhões estavam a fazer trabalho infantil, com mais nove milhões em risco de serem empurradas para alguma forma de trabalho infantil até ao final de 2022.

Por outro lado, 50 milhões de crianças sofrem de atrasos de crescimento devido à subnutrição, com possível risco de vida, número que poderá aumentar em 9 milhões até 2022 devido ao impacto da pandemia na dieta das crianças.

Em relação aos adolescentes, 13% viram as suas condições de saúde mental serem afetadas, até porque, em outubro de 2020, a pandemia tinha interrompido ou alterado significativamente os serviços de saúde mental críticos em 93% dos países de todo o mundo.

A covid-19 também deverá resultar em até mais 10 milhões de casamentos na infância adicionais até final da década e, no auge da pandemia, 1,8 mil milhões de crianças viviam nos 104 países onde os serviços de prevenção e resposta à violência foram gravemente perturbados.

O cenário leva a Unicef a apelar a um investimento na proteção social e ao fim da pandemia e inversão do retrocesso na saúde e nutrição infantis, “aproveitando o papel vital” da organização na distribuição da vacina anti-covid-19, assim como a um reforço da educação de qualidade, proteção e saúde mental das crianças.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.