Um epidemiologista e um especialista em saúde animal da instituição irão reunir-se nos próximos dias com autoridades chinesas e devem preparar o caminho para uma missão futura que pretende esclarecer, por exemplo, se o novo coronavírus infectou o homem a partir de um animal e se usou na trajetória um animal intermediário.

A OMS pretende reunir as peças de um quebra-cabeças indispensável para saber o que aconteceu no fim do ano passado na cidade chinesa de Wuhan, onde surgiu o vírus, e como evitar uma nova pandemia, explicou durante a semana a porta-voz da instituição, Margaret Harris.

O anúncio da missão foi elogiado pelos Estados Unidos, o país que mais critica a OMS pela sua gestão da pandemia e que decidiu abandonar a instituição da ONU.

Decisão, unidade e solidariedade

Na sexta-feira, o diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que "apenas uma ação agressiva combinada com a unidade nacional e a solidariedade mundial podem reverter a trajetória da pandemia", que já provocou 560.425 mortes em todo o planeta e 12,5 milhões de casos, de acordo com um balanço da AFP com base em fontes oficiais.

Enquanto os contágios avançam, laboratórios de todo o mundo trabalham intensamente na busca por uma vacina.

No momento, a OMS registra 21 vacinas candidatas que estão em testes clínicos com seres humanos em todo o mundo (contra 11 em meados de junho). Um terço dos testes acontece na China. Uma das pesquisas mais avanças é o projeto chinês do laboratório Sinovac, em associação com o instituto de pesquisas brasileiro Butantan.

O governo do estado de São Paulo começará a testar em 20 de julho a vacina da Sinovac em 9.000 voluntários.

Este sábado, o bilionário americano Bill Gates declarou-se otimista a respeito da luta contra a COVID-19 e defendeu a distribuição de remédios e vacinas aqueles que precisam, e não aos que pagam as maiores quantias.

"Se deixarmos que os medicamentos e as vacinas sejam entregues para os que oferecem os maiores valores, ao invés das pessoas que mais precisam, teremos uma pandemia mais longa, mais injusta e mais letal", afirmou o fundador da Microsoft.

Mais de 70.000 mortes no Brasil

A América Latina e o Caribe registam 140.829 mortes e 3,2 milhões de infectados. O Brasil é o segundo país mais afetado do planeta, com 1,8 milhão de casos e mais 70.000 vítimas fatais. Nas últimas 24 horas foram contabilizados 45.048 casos e 1.214 óbitos.

O presidente Jair Bolsonaro é um dos infetados, mas está bem e o contágio não parece ter modificado a sua maneira de encarar a pandemia. Sempre criticou as medidas de confinamento decretadas por vários estados e, com frequência, aparece em público sem máscara.

As comunidades indígenas brasileiras são especialmente vulneráveis à COVID-19: de acordo com números oficiais, a pandemia infectou mais de 9.000 indígenas e matou 193.

Além de Bolsonaro, esta semana a presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, também testou positivo para o novo coronavírus. Não apresenta sintomas e está isolada na sua residência.

O novo coronavírus também se propaga rapidamente na Colômbia, onde o nível de alerta aumentou em Bogotá, que concentra 32% dos mais de 133.000 casos do país.

Em Santiago, capital do Chile, depois de 50 dias de quarentena, o ministro da Saúde, Enrique Paris, afirmou que "os números mostram uma melhora contínua". O país tem mais de 10.000 mortes por coronavírus, incluindo os óbitos prováveis".

Mas os Estados Unidos continuam a ser de longe o país mais afetado pela pandemia e registou 63.643 novos casos nas últimas 24 horas, de acordo com os dados da Universidade Johns Hopkins.

O total de contágios supera 3,18 milhões e o país contabiliza mais de 134.000 mortes.

Anthony Fauci, um dos principais integrantes do grupo de trabalho sobre o coronavírus da Casa Branca, reiterou as advertências de que o surto no país se agrava perante a falta de uma estratégia coerente.

"Quando nos comparamos com outros países, não acredito que podemos dizer que estamos a trabalhar bem", disse.

Ao mesmo tempo, na Europa a progressiva flexibilização do confinamento convive com focos isolados.

O medo de contágio e a necessidade de manter o distanciamento físico levou alguns cidadãos a optar por férias diferentes. Por exemplo, o motorhome, ou seja, viajar com a casa. O aluguer destes veículos registaram um aumento expressivo no continente, onde viraram sinónimo de segurança, aventura e economia.

Na Alemanha foram registados 10.000 novos motorhomes em maio, um aumento de 32% em relação ao ano passado. Em Espanha, o aumento de registos em junho foi de 20%.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.