Com esta atualização, o número de vítimas mortais na China subiu para 4.632.

Estes casos não tinham sido ainda contabilizados nas estatísticas oficiais porque, no auge da epidemia na cidade, alguns pacientes morreram em casa, sem terem sido atendidos nos hospitais, então sobrelotados, afirmaram.

Os números oficiais só incluíam, até aqui, mortos nos hospitais, indicaram, na nota difundida nas redes sociais.

Com 11 milhões de habitantes, Wuhan, capital da província de Hubei (centro), esteve mais de dois meses sob quarentena, com entradas e saídas bloqueadas.

Em quase todos os países europeus e nos Estados Unidos, a taxa de letalidade é superior a 10%, quase o dobro do registado pela China, mesmo com esta atualização das autoridades de Wuhan.

Vários líderes mundiais questionaram já a gestão da crise pelas autoridades chinesas.

Na quinta-feira, em entrevista ao jornal Financial Times, o Presidente de França, Emmanuel Macron, considerou existirem zonas cinzentas na gestão da epidemia pela China. “Claramente, aconteceram coisas que não sabemos”, notou.

Também na quinta-feira, o Governo chinês refutou alegações de que a pandemia da covid-19 teve origem num laboratório perto da cidade de Wuhan, onde amostras de doenças contagiosas estão armazenadas.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês Zhao Lijian citou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros especialistas médicos não identificados para argumentar que não há evidências de que a transmissão tenha começado no laboratório.

“Não há base científica para essas alegações”, afirmou. “Sempre defendemos que esta é uma questão científica, que requer a avaliação profissional de cientistas e especialistas médicos”, disse Zhao aos jornalistas, em conferência de imprensa, sobre estas alegações publicadas pela imprensa norte-americana, sem citar provas concretas.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 145 mil mortos e infetou mais de 2,1 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa quatro mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.