A Organização Mundial da Saúde (OMS), aponta cinco resoluções para fazermos na nossa alimentação um caminho para o bem-estar.

Na sua página na internet, a OMS, sublinha que “os ingredientes exatos de uma dieta saudável dependerão de diferentes fatores, como a idade e o quão ativos somos, bem como a disponibilidade alimentar nas comunidades em que vivemos”.

Independentemente das culturas, existem dicas que partilhamos à escala global e que nos “ajudarão a ter vidas mais saudáveis ​​e mais longas”, refere a OMS.

Diversifique a sua dieta

Os nossos corpos são organismos complexos e, excetuando o leite materno nos primeiros meses de vida, nenhum alimento contém todos os nutrientes de que precisamos. Desta forma, a dieta humana, deve conter uma grande variedade de alimentos frescos.

A OMS, recomenda para uma dieta diária equilibrada, uma seleção de alimentos básicos, como o trigo, o milho, o arroz, as batatas, as leguminosas, assim como alimentos de origem animal (por exemplo, peixe, ovos, leite e carne).

Prefira, sempre que puder, alimentos integrais, não processados, como milho, aveia, trigo e arroz. São ricos em fibras valiosas e cooperam para a saciedade por períodos mais prolongados.

Para os lanches, opte por vegetais crus, nozes sem sal e frutas frescas, em vez de alimentos com alto teor de açúcares, gorduras ou sal.

A aparência não é tudo. Dicas para escolher a fruta e vegetais mais saborosos

Corte no sal

Sal em excesso pode elevar a pressão arterial, um dos principais fatores de risco das doenças cardiovasculares. Em média, consumimos o dobro do limite de sal recomendado pela OMS, ou seja, cinco gramas (equivalente a uma colher de chá) por dia.

“Há muita publicidade sobre as propriedades benéficas deste e daquele sal, mas nenhum estudo as comprova”, diz nutricionista
“Há muita publicidade sobre as propriedades benéficas deste e daquele sal, mas nenhum estudo as comprova”, diz nutricionista
Ver artigo

Mesmo que não adicionemos sal aos alimentos, devemos ter em consideração de que está presente em produtos processados ​​ou bebidas.

Algumas dicas para reduzir a ingestão de sal:

Ao cozinhar e preparar alimentos, use sal com moderação e reduza o uso de molhos e condimentos salgados (como molho de soja, caldo de carne ou molho de peixe).

Evite lanches com alimentos processados e/ou ricos em sal, optando por lanches saudáveis ​​com alimentos frescos, como a fruta.

Ao adquirir vegetais enlatados ou nozes e frutos secos, escolha variedades sem adição de sal e açúcares.

Já à mesa, evite condimentos salgados ou sal fino. O nosso paladar ajusta-se rapidamente a menos quantidade de sal. Rapidamente irá apreciar o sabor genuíno dos alimentos.

Verifique os rótulos dos alimentos e procure produtos com menor teor de sódio.

Reduza o consumo de alimentos rico em gorduras

Todos nós precisamos de um pouco de gordura na nossa dieta. Contudo, inclui-la em excesso - especialmente as gorduras erradas - aumenta os riscos de obesidade e doenças cardiovasculares. As gorduras trans produzidas industrialmente são as mais perigosas para a saúde.

Algumas dicas para reduzir o consumo de gordura:

Substitua manteiga, banha e ghee (manteiga clarificada) por óleos alimentares mais saudáveis, como soja, colza, milho e girassol.

Escolha carnes brancas, como as de aves e peixes, regra geral com menos gorduras do que carnes vermelhas. Na carne, elimine todas as gorduras visíveis e limite o consumo de carnes processadas.

Procure cozer ou grelhar em vez de fritar os alimentos.

Consulte os rótulos, evitando todos os alimentos processados e fast food que contenham gordura trans produzida industrialmente. Esta, é frequentemente encontrada em margarina e ghee (manteiga clarificada), bem como lanches pré-embalados.

Há doçaria com peixe no festival que Setúbal dedica aos sabores do mar

Limite o consumo de açúcares

O excesso de açúcar não é apenas nefasto para a dentição, mas aumenta o risco de ganho de peso e obesidade, o que pode levar a sérios problemas crónicos de saúde.

Tal como acontece com o sal, é importante estar consciente de todo o açúcar “oculto” em alimentos e bebidas processadas. Por exemplo, uma única lata de refrigerante pode conter até dez colheres de chá de açúcar adicionado.

“Há muitas pessoas que não têm consciência da quantidade de açúcar que consomem”
“Há muitas pessoas que não têm consciência da quantidade de açúcar que consomem”
Ver artigo

Algumas dicas para reduzir a ingestão de açúcar:

Diminua a ingestão de doces e bebidas açucaradas, como refrigerantes, sumos de frutas, concentrados líquidos e em pó, água aromatizada, bebidas energéticas, chá e café prontos para beber e bebidas lácteas aromatizadas.

Evite expor as crianças ao consumo de alimentos açucarados. Sal e açúcares não devem ser adicionados aos alimentos consumidos por crianças até dois anos e devem ser limitados em idades superiores.

12 estratégias para uma alimentação saudável e económica

Evite o consumo de álcool

O álcool não é parte integrante de uma dieta saudável, embora englobe bebidas intimamente associadas a muitas culturas. Em regra, o consumo de álcool, pode causar efeitos a longo prazo, como danos no fígado e doenças cardíacas.

De acordo com a OMS não há um nível seguro no que respeita ao consumo de álcool: “Para muitos indivíduos, mesmo baixos níveis de ingestão de álcool podem estar associados a riscos significativos para a saúde”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.