“Concluiu-se que não é um evento adverso à vacina. Não há relação com o imunizante administrado. O que se descobriu, infelizmente, foi um problema cardíaco que os pais desconheciam”, declarou o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, numa conferência de imprensa.

Devido a esta ocorrência, a cidade de Lençóis Paulista, com 70 mil habitantes e localizada no interior do estado de São Paulo, suspendeu por sete dias a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos e a campanha de imunização infantil que começou na última sexta-feira no Brasil.

Segundo o secretário de Saúde, que é médico infecciologista, com a conclusão alcançada no caso espera-se que a vacinação seja retomada naquele município para que todas as crianças “regressem às aulas protegidas”.

A criança, que sobreviveu, recebeu a primeira dose pediátrica da vacina da Pfizer/BioNTech na quarta-feira.

Em nota, a Pfizer afirmou que “não existem alertas de segurança graves relacionados com o imunizante” e que os ensaios clínicos com 2.268 crianças realizados nos Estados Unidos, Finlândia, Polónia e Espanha “apresentaram respostas robustas na produção de anticorpos e um perfil de segurança favorável”.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão regulador de medicamentos no Brasil, autorizou hoje a aplicação em crianças de 6 a 11 anos da vacina Coronavac, do laboratório chinês Sinovac, que é produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo.

Crianças de 5 anos, que não foram autorizadas a receber o Coronavac, serão vacinadas com o imunizante da Pfizer.

Atualmente o Brasil enfrenta os maiores picos de infeções durante a pandemia, mas sem aumento de mortes, o que é atribuído ao progresso da vacinação que a já atingiu quase 70% de sua população.

O Brasil tem quase 23,5 milhões de casos confirmados e se aproxima de 622 mil mortes provocadas pela covid-19.

A covid-19 provocou 5.553.124 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.