O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, disse que a Polónia atravessa o momento mais difícil no contexto da pandemia e que os serviços de saúde estão a aproximar-se do limite das suas capacidades.

Morawiecki lançou um apelo à solidariedade e colaboração nacional por parte da oposição e alertou para o facto de, se a situação da saúde não melhorar, poder ser decretado o estado de emergência.

As novas medidas anunciadas pelo ministro da Saúde, Adam Niedzielski, impõem o encerramento de todos os estabelecimentos com mais de 2.000 metros quadrados, com exceção do comércio alimentício e farmácias.

Também é proibida a utilização de instalações desportivas, exceto para eventos profissionais, tendo sido decretado o encerramento de infantários, sendo admitidos apenas filhos de membros das forças de segurança e do exército.

Além disso, cabeleireiros, estúdios de tatuagem, salões de beleza e bibliotecas deverão permanecer fechados.

Niedzielski disse na quarta-feira que o Governo “apela à responsabilidade” dos religiosos de aplicar medidas de segurança durante as celebrações religiosas nos próximos dias.

Ao contrário de outros países, a Polónia nunca encerrou completamente as igrejas durante a pandemia.

Na semana passada, o Governo tinha já estendido a todo o país as limitações regionais que obrigavam o encerramento de centros culturais, escolas primárias, hotéis e restaurantes nas províncias com maior número de casos.

A Polónia atingiu o primeiro milhão de casos do novo coronavírus nove meses após a primeira infeção no país e atingiu dois milhões três meses e meio depois.

Desde que a primeira infeção devido ao coronavírus na Polónia, 2,15 milhões de casos e 50.860 mortes foram registados.

O Ministério da Saúde informou que 102.500 testes do novo coronavírus foram realizados na quarta-feira, o maior número até hoje.

Existem atualmente cerca de 435.000 pessoas em quarentena e 2.620 nos cuidados intensivos e mais de 75% das camas hospitalares e ventiladores estão ocupados em todo o país.

Quase 5,4 milhões de vacinas foram administradas até agora e espera-se chegar aos sete milhões de doses próximas cinco semanas.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.745.337 mortos no mundo, resultantes de mais de 124,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.