Tedros Adhanom Ghebreyesus fez este alerta na videoconferência de imprensa regular sobre a evolução da pandemia da covid-19, transmitida da sede da OMS, em Genebra, na Suíça.

Segundo o dirigente da OMS, as infeções com a variante Ómicron atingiram “números recorde”, colocando sob “pressão sistemas de saúde”.

Tedros Adhanom Ghebreyesus reiterou que, face ao rápido avanço da Ómicron, é preciso continuar com as campanhas de vacinação, priorizando as pessoas mais vulneráveis que ainda não estão vacinadas, e com as medidas de saúde pública, para evitar o colapso dos sistemas e se possam “manter abertas as sociedades”.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado há dois anos, na China, e que se disseminou rapidamente pelo mundo.

A variante Delta do vírus tornou-se dominante no mundo em parte de 2021.

A sucessora variante Ómicron, identificada em novembro, é a mais transmissível de todas as estirpes do vírus, tendo sido detetada em mais de uma centena de países, incluindo Portugal. De acordo com as projeções, a Ómicron será em janeiro dominante na Europa, que voltou a ser o epicentro da pandemia.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.