Em muitos pontos do país, sobretudo nas cidades do litoral, encontrar uma vaga numa resposta social para a infância é um pesadelo, escreve hoje o Jornal de Notícias.

Em 35 concelhos, um terço dos quais em redor do Porto, mais de 77% das crianças até aos três anos não encontram lugar numa creche ou ama.

Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Ver artigo

A presidente da Associação de Creches e Pequenos Estabelecimentos, Susana Baptista, diz que os privados estão disponíveis para receber mais crianças, mas afirma não ter resposta do Governo para um eventual acordo. "Temos instalações e profissionais para receber mais crianças, não é necessário fazer novos investimentos", garante a responsável, citada pelo referido jornal.

Segundo dados da Carta Social de 2017, mais de metade das crianças não tem lugar numa resposta social para a primeira infância nos distritos do Porto, Lisboa e Setúbal.

Já em Lousada, Paços de Ferreira (dois dos municípios mais jovens), Gaia, Gondomar, Valongo, Felgueiras, Trofa, Paredes, Penafiel, Marco de Canaveses e Amarante, menos de um terço das crianças tem resposta social para a primeira infância.

As raças de cães mais amigas da família
As raças de cães mais amigas da família
Ver artigo

Os dados contam da Carta Social de 2017, a última disponível. Só os distritos da Guarda, Castelo Branco e Portalegre têm uma taxa de cobertura superior a 70%, mas nessas regiões a natalidade é considerada baixa.

Em 2017, ao todo, havia cerca de 250.000 crianças com três anos ou menos e só 100.000 estavam numa creche.

Segundo o referido jornal, três quartos das creches em Portugal continental fazem parte de uma instituição particular de solidariedade social (IPSS) e são financiadas pela Segurança Social.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.