1498: Após meses de viagem marítima, Vasco da Gama, abre a partir dos oceanos Atlântico e Indico, uma rota por mar até à Índia. Nasce um comércio rico baseado nas especiarias que chegavam, então, à Europa. A pimenta integrava este riquíssimo baú.

82,5% do mercado de pimenta refere-se à pimenta preta, embora com um incremento de outros tipos de pimenta. Estima-se que o consumo da pimenta preta continue a crescer na próxima década.

No reino da pimenta com as suas variedades e usos
No reino da pimenta com as suas variedades e usos
Ver artigo

40% da produção mundial de pimenta provém do Vietname. Seguem-se-lhe a Indonésia (13%), a Índia e o Brasil (ambos com 12%), a China (7%) e o Cambodja (4%).

11 gramas de proteínas estão contidos em 100 gramas de pimenta preta. Este é um alimento rico em ferro (11,20 mg), cálcio (430 mg) e potássio (1260 mg).

10% da pimenta produzida globalmente é consumida no continente europeu. Uma tabela que tem no segundo lugar a América do Norte (15%), seguida do subcontinente indiano (14%) e da China (12%).

A pimenta explicada em 7 números. Da obsessão de Vasco da Gama ao consumo europeu

Quatro metros é a altura que pode atingir a planta da pimenta, uma trepadeira, originária do sudoeste asiático. Produz até 30 espigas e, nestas, vamos encontrar as bagas.

Três são as principais qualidades de pimenta. Na realidade o trio provém da mesma planta, a Piper nigrum. A pimenta verde, mais aromática, é ideal para peixes, bifes, aves e vegetais, massas e marinadas. A pimenta preta, de sabor mais apurado, para carnes estufadas, molhos, sopas, peixes e aves; a branca para molhos, queijos, mariscos e carne. Já a pimenta branca provém de frutos maduros, embebidos em água por alguns dias e secos. Isto depois de a camada exterior da semente ser removida.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.