O estudo "Genome-wide association analyses identify 44 risk variants and refine the genetic architecture of major depression", publicado na revista científica Nature Genetics, eleva para 44 o total de variantes genéticas associadas ao risco de depressão. Até agora conheciam-se apenas 14.

15 coisas que tem de saber para não enlouquecer
15 coisas que tem de saber para não enlouquecer
Ver artigo

Estas 44 variantes genéticas também podem explicar outros transtornos psiquiátricos, como a esquizofrenia, segundo o consórcio de cientistas responsável peslo estudo. "Isto é um divisor de águas", comentou Patrick Sullivan, diretor do Centro de Genómica Psiquiátrica da Universidade da Carolina do Norte e co-autor da investigação.

"Todos nós carregamos variantes genéticas para a depressão, mas aqueles com uma maior carga (de genes) são mais suscetíveis", disse a co-autora Naomi Wray, investigadora da Universidade de Queensland, na Austrália.

"Muitas experiências de vida podem contribuir para o risco de depressão, mas identificar os fatores genéticos abre novas portas para a pesquisa dos fatores biológicos", acrescentou.

Obesidade como fator incrementador do risco de depressão

Estar acima do peso ou ser-se obeso também se mostrou um fator de risco para depressão, segundo os dados. "Agora temos um olhar mais profundo do que nunca sobre a base desta doença humana terrível e prejudicial", disse Sullivan.

25 truques inimagináveis para perder peso
25 truques inimagináveis para perder peso
Ver artigo

O consórcio analisou meia dúzia de conjuntos de dados cobrindo mais de 135 mil pessoas clinicamente diagnosticadas com depressão e comparou os seus perfis genéticos com os de 344 mil pessoas sem sinais da doença.  Variações em 44 genes - 30 deles identificados pela primeira vez - mostraram uma correlação inequívoca.

Em todo o mundo, cerca de 14% dos adultos estão sujeitos a períodos de depressão profunda, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde.

Apenas metade dos pacientes diagnosticados respondem bem aos medicamentos e tratamentos existentes. 

"Este estudo lança luzes sobre a base genética da depressão, mas este é apenas o primeiro passo", disse a co-autora Cathryn Lewis, do King's College London.

"Precisamos de mais pesquisas para revelar mais fundamentos genéticos e entender como a genética e os agentes ambientais trabalham juntos aumentam o risco de depressão".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.