Não se trata de um filme de realidade alternativa. É o mundo da britânica Rachel Warwick, onde banhos de imersão são pesadelos e mergulhos no mar são autênticas descidas em escorrega de giletes.

Qualquer contato com a água, incluindo o suor, deixa Rachel com irritações dolorosas, inflamações e prurido. Pode durar várias horas. "É como se tivesse corrido uma maratona. Fico cansada e tenho que me sentar para recuperar a energia. É horrível, mas se eu chorar piora: a minha cara fica inflamada", explica à BBC.

Pelo menos 60% do corpo humano é composto por água, mas não é a água do corpo humano que parece ser um problema para quem sofre da urticária aquagénica. As reações alérgicas são provocadas pelo contacto da substância com a pele. "Quando as pessoas sabem do meu problema, fazem-me dezenas de perguntas sobre como faço para comer, beber ou tomar banho. A verdade é que preciso de aguentar a dor e continuar a minha vida", admite.

Veja ainda: 22 doenças estranhas e misteriosas

Saiba maisA história da mulher que não sente dor e que até adormeceu no parto

A doença confunde os cientistas. Tecnicamente, a urticária aquagénica não é uma alergia, mas sim uma reação imunitária despertada pelo corpo. Uma das primeiras teorias para explicar como a doença funciona é que a água interage com a camada mais externa da pele, composta maioritariamente por células mortas e substâncias oleosas que mantém a pele húmida. Este contacto pode levar esses componentes a libertarem compostos tóxicos, gerando uma reação imunitária dolorosa.

Doença devastadora

Quaisquer que sejam as causas, este tipo de urticária é uma doença devastadora, comenta o dermatologista Marcus Maurer, fundador da ECARF, um centro alemão de estudos de alergias, citado pela televisão britânica. "Tenho pacientes que sofrem de urticária há 40 anos e que ainda acordam com manchas e edemas diariamente", explica. Pessoas que sofrem deste problema de saúde desenvolvem quadros de ansiedade ou depressão. "Em termos de qualidade de vida, é um das piores doenças que se pode ter", acrescenta Maurer.

15 doenças que ainda não têm cura

Rachel tinha 12 anos quando o problema lhe foi diagnosticado, depois de perceber uma irritação na pele enquanto nadava. Rachel não nasceu com urticária aquagénica, mas o seu corpo desenvolveu a condição durante o seu crescimento.

Sobreviver com a urticária não é um problema, mas suportá-la é outra história. Em períodos de muita chuva, por exemplo, Rachel não pode sair de casa. Atividades corriqueiras como lavar a louça são executadas pelo marido. Ela limita os banhos: apenas um por semana. Para minimizar o suor, usa roupas leves e evita fazer exercício.

Para evitar água, Rachel bebe leite, já que a reação não é tão dolorosa. O tratamento é feito à base de anti-histamínicos. A urticária aquagénica afeta apenas uma em cada 230 milhões de pessoas no mundo. Ou seja, apenas 32 pessoas no planeta sofrem da doença.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.