A audição de Marta Temido, pedida pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP, foi aprovada esta quarta-feira (26.06) por unanimidade pela comissão parlamentar de Saúde.

A Comissão de Saúde aprovou também por unanimidade os pedidos de audição requeridos pelo PCP, BE e PSD para ouvir o presidente do Conselho Diretivo da Administração Regional de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), Luís Pisco, sobre o mesmo assunto.

Ordem dos Médicos diz que situação das maternidades "é muito mais grave" do que tem sido falado
Ordem dos Médicos diz que situação das maternidades "é muito mais grave" do que tem sido falado
Ver artigo

Foi ainda aprovada a audição do bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, requerida pelo PSD, e dos diretores de obstetrícia da Maternidade Alfredo da Costa e dos hospitais de Santa Maria, S. Francisco Xavier e Amadora-Sintra do Hospital Fernando da Fonseca, a pedido do Bloco de Esquerda.

Para os deputados, a situação vivida nas maternidades devido à falta de especialistas necessita de esclarecimentos por parte da ministra e das outras entidades.

Para Carla Cruz, do PCP, as informações que foram tornadas públicas após a reunião da ARSLV “adensa mais as razões” para que esta entidade explique na Comissão de saúde “o modo” como vai funcionar o sistema de rotatividade, que “não serve quem necessita destes serviços” e pode enfraquecer a resposta pública.

Sublinhando que a carência de especialistas “já acontece há muito tempo” nas diferentes maternidades, a deputada disse que o PCP pretende saber o que foi feito durante os últimos seis meses para contratar mais profissionais.

O deputado do Bloco de Esquerda Moisés Ferreira disse, por seu turno, que é preciso perceber se os hospitais já tinham alertado o Governo e a ARSLVT para esta situação.

“Há que perceber o que foi feito para evitar o fecho rotativo das urgências” e há quanto tempo estas instituições alertaram para esta situação, o que foi feito para a evitar e que outras soluções estão a ser trabalhadas.

Ministra da Saúde garante que nenhuma maternidade do país vai encerrar
Ministra da Saúde garante que nenhuma maternidade do país vai encerrar
Ver artigo

Para Moisés Ferreira, o fecho rotativo “não pode ser a solução”, defendendo que é preciso responder ao problema estruturalmente com a contratação dos ginecologistas e obstetras em falta.

Para o deputado do PSD Ricardo Baptista Leite, o que se se está a assistir na área saúde materno-infantil é de “uma enorme preocupação” e que revela "um desnorte" do Governo". “É uma situação grave da degradação do Serviço Nacional de Saúde (SNS), que exige um “esclarecimento cabal” à Assembleia da República e à população, defendeu o deputado social-democrata.

Para a deputada do CDS-PP Isabel Galriça Neto, “o SNS é um castelo de cartas que se está a desmoronar” com prejuízo para os cidadãos, afirmando que é mentira o que Governo diz de que o SNS está melhor e que tem mais profissionais. “Não corresponde à realidade”.

“Há mais de seis meses que estes problemas nos foram sinalizados e a equipa governativa deixa o barco passar, não toma soluções” e os “resultados estão à vista”, lamentou Isabel Galriça Neto.

O deputado do PS João Marques também considerou importante perceber o que passa e o que originou o problema nas maternidades.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.