A princesa saudita e ex-modelo Safia Hussein Guerras apresentou este fim de semana em Riade, uma nova coleção de abayas - roupas largas que escondem a silhueta - para um público pequeno mas, pela primeira vez, misto.

Sob abayas enfeitadas com estampados e strass, com cortes mais ou menos justos, uma dezena de modelos, na sua maioria sauditas, esforçaram-se para mostrar o charme desta vestimenta, que garante o pudor público para alguns e é símbolo da opressão das mulheres para outros.

"Queria mudar o estigma em torno da abaya e do véu em todo o mundo", explica a princesa, que desenhou a coleção "Seja elegante", em colaboração com o estilista belga Christophe Beaufays.

"Se eu levar isto a um nível de elegância e aceitação, talvez a nossa geração abrace totalmente a abaya", acrescenta.

O uso desta vestimenta continua a ser obrigatório para as mulheres sauditas neste país, que, buscando suavizar a sua imagem a nível internacional, suspendeu essa obrigação para as mulheres estrangeiras em 2019.

Mas as jovens sauditas estão cada vez mais a deixar as tradicionais roupas pretas largas no armário para serem cobertas com abayas de cores vivas e cortes mais justos, às vezes até entreabertos. Para alguns, a rebelião vai ainda mais longe ao deixaram de usar a abaya.

Mudança de imagem

Segundo Christophe Beaufays, que trabalha para uma marca saudita especializada em vestidos masculinos, chamada "thobe", a coleção apresentada em Riade agradará mulheres de diferentes culturas e religiões, que compartilham as mesmas visões sobre "modéstia e elegância".

O desfile, organizado na embaixada da Bélgica na Arábia Saudita, faz parte da vontade do príncipe herdeiro Mohamed bin Salman de mudar a imagem do seu país, considerado conservador e fechado, organizando eventos culturais e desportivos e até espetáculos de música pop durante um comício em Dakar.

Mas esses esforços foram em grande parte prejudicados por uma repressão cada vez maior na Arábia Saudita, que regularmente ocupa a primeira página da imprensa internacional, principalmente após o assassinato de um jornalista crítico do governo ou a prisão de ativistas dos direitos das mulheres.

O desfile deste fim de semana foi um avanço em relação a tentativas semelhantes anteriores.

Em abril de 2018, os criadores Jean Paul Gaultier e Roberto Cavalli lideraram a apresentação da primeira Semana da Moda na Arábia Saudita, mas o evento aconteceu a portas fechadas, proibido aos homens e às câmaras.

Nesse mesmo ano, em junho, um vídeo de vestidos flutuando no ar, pendurados em drones, durante um desfile em Jidá, cidade às margens do Mar Vermelho, tornou-se  viral nas redes sociais e foi ridicularizado como um "desfile fantasma".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.