Miguel Guimarães adiantou que os pedidos de ajuda foram dirigidos ao bastonário e foram feitos principalmente pelos pais.

“Também há casos de grávidas, mas foram basicamente os maridos que tomaram a dianteira. Ficaram preocupados, e bem”, disse o bastonário dos médicos.

Mulher dá à luz em corredor de hospital e fotógrafa capta o momento
Mulher dá à luz em corredor de hospital e fotógrafa capta o momento
Ver artigo

Segundo Miguel Guimarães, as preocupações dos pais prendiam-se com o facto de as grávidas estarem a realizar as ecografias naquela clínica em Setúbal, onde o médico Artur Carvalho realizou ecografias à mãe do bebé que nasceu com malformações graves.

“Uma das questões que se colocou e foi a mais frequente (…) era a dizer que estavam a fazer as ecografias na Ecosado e que agora não sabiam como haviam de fazer”, porque tinham dúvidas se o médico tinha feito corretamente o exame.

Portugal tem dos melhores indicadores obstétricos da OCDE, diz OM

Perante esta preocupação, os pais pediram aconselhamento à OM no sentido de indicar, por um lado, onde deviam fazer a ecografia e, por outro lado, se deviam repetir as ecografias já realizadas, disse Miguel Guimarães, referindo ainda casos de pais preocupados com o destino a dar às credenciais para ecografias que têm em mãos, uma vez que foi denunciado que a Ecosado não tem convenção com o SNS.

A agência Lusa contactou especialistas no sentido de perceber o impacto que casos como o deste bebé que nasceu sem parte rosto pode ter em grávidas e se tem havido manifestações de preocupação por parte de famílias.

“Em Portugal, a distribuição dos nossos recursos humanos e a sua qualificação é muito elevada e não podemos confundir um caso que ocorre marginal numa pequena situação com todo o universo da vigilância da gravidez em Portugal, que tem dos melhores indicadores quer obstétricos quer neonatais da OCDE”, disse à agência Lusa o presidente do Conselho Regional do Sul da OM, Alexandre Valentim Lourenço.

Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Ver artigo

Também médico obstetra no Hospital Santa Maria, Alexandre Valentim Lourenço afirmou que não tem havido “um afluxo anormal de grávidas ou de pais a pedirem informação suplementar, embora haja alguma preocupação”.

“Muitas destas pessoas que estão a seguir uma gravidez têm uma boa relação com o seu médico assistente, o qual lhes dá muito tempo de atenção e têm resolvido com o seu médico assistente as dúvidas que, entretanto, possam ter surgido”, sublinhou.

Médico pede tranquilidade

O presidente da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia, Luís Graça, afirmou por seu turno que as “grávidas podem ficar tranquilas”, mas disse compreender uma eventual preocupação. “Eu entendo que as grávidas, que mesmo sem haver este tipo de acontecimentos têm sempre alguma ansiedade relativamente ao seu bebé, agora fiquem bastante mais preocupadas”, afirmou o especialista, que exerce há mais de 40 anos.

No entanto, deve dar-se “uma palavra de tranquilidade, porque a maior parte dos locais onde se faz ecografia obstétrica é de qualidade média ou superior”.

“A maior parte dos médicos que fazem ecografia obstétrica são pessoas com qualidade ou pelo menos são pessoas que têm a consciência das suas limitações e, portanto, se tiverem alguma dúvida mandam a outro lado”, salientou.

Portanto, vincou Luís Graça, “as grávidas não têm que ficar completamente desaustinadas com o que sucedeu. Agora que é compreensível estarem preocupadas, sim”.

Fotógrafa mostra em 22 fotos a "brutal e doce realidade de ser mãe"
Fotógrafa mostra em 22 fotos a "brutal e doce realidade de ser mãe"
Ver artigo

Alexandre Valentim Lourenço acrescentou que a OM pode assegurar que Portugal tem especialistas na área de obstetrícia de “elevada qualidade e que a vigilância da gravidez em Portugal é, por exemplo, de melhor qualidade do que no Reino Unido”, onde a maior parte das grávidas não têm acesso aos mesmos métodos complementares nem às ecografias que existem em Portugal.

SNS 24 não registou mais chamadas de progenitoras

Para o responsável, “é importante” preservar o que foi construído ao longo de 20 anos na área materno-infantil e “evitar que haja desregulação, falta de controlo e que se retorne a um passado, já um pouco antigo, de uma situação em que os indicadores e a assistência não eram tão bons”.

Contactado pela Lusa para saber se o SNS 24 registou um acréscimo de contactos para o SNS 24 por parte de grávidas, os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) afirmaram que não.

“Não se registaram alterações no SNS 24, quer através do canal telefónico, quer digital, no que diz respeito à procura de temas como Gravidez/Gravidez e puerpério, saúde da mulher, guia da grávida ou interrupção Voluntária da Gravidez”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.