Várias personalidades russas foram vítimas de envenenamento - confirmados ou suspeitos - no passado recente.

Alexei Navalny

A 28 de junho de 2019, Alexei Navalny, que depois foi detido por convocar uma manifestação perante a Câmara Municipal de Moscovo, foi hospitalizado com uma doença misteriosa. As suas pálpebras estavam inchadas e tinha vários abscessos no pescoço, nas costas, tronco e cotovelos.

As autoridades mencionaram uma "reação alérgica grave", mas a equipa do principal opositor do Kremlin afirmou que provavelmente foi vítima de "algum agente tóxico". Os serviços de saúde afirmaram que não encontraram "nenhuma substância tóxica" no seu organismo.

Em 2017, Navalny teve que fazer um tratamento em Espanha por uma queimadura ocular que sofreu depois de lhe atirarem uma tintura antisséptica ao rosto.


Serguei Skripal

A 4 de março de 2018, o ex-agente duplo russo Serguei Skripal e a sua filha Yulia foram encontrados inconscientes num centro comercial de Salisbury (sul da Inglaterra) e hospitalizados em estado grave.

Londres acusou Moscovo de estar por trás de um envenenamento com o uso de Novichok, um poderoso agente nervoso fabricado no período soviético, em represália pela sua colaboração com a inteligência britânica. O Kremlin negou. O tema provocou uma crise diplomática.

Skripal e a filha receberam alta meses depois. O envenenamento provocou uma vítima colateral, uma mulher que morreu ao passar o que pensava que era um perfume e estava dentro de um frasco recolhido pelo seu companheiro.

Em junho do ano passado, a polícia antiterrorista britânica renovou o pedido de informações sobre dois suspeitos russos, supostos membros da inteligência militar do seu país (GRU).


Piotr Verzilov

Piotr Verzilov, ativista do grupo de protesto Pussy Riot, foi internado em um hospital moscovita a 14 de setembro de 2018, numa unidade de atendimento para casos toxicológicos, em estado grave.

Rapidamente foi transferido para um hospital de Berlim, durante o caso Skripal. As análises médicas na Alemanha sugeriram que se tratava "muito provavelmente de um caso de envenenamento".

Pyotr Verzilov

Para a sua esposa na época, Nadejda Tolokonnikova, também ativista do Pussy Riot, alguém na Rússia, talvez uma "agência das forças de segurança", tentou assassiná-lo. Para ela, Verzilov foi envenenado quando estava no seu julgamento num tribunal de Moscovo, a 11 de setembro de 2018.


Alexander Litvinenko

O ex-agente do FSB (serviço secretos russo) Alexander Litvinenko, opositor ao Kremlin no exílio, morreu em 2006 envenenado com polónio-210, uma substância radioativa extremamente tóxica.

POISON VICTIM IN HOSPITAL
Alexander Litvinenko

Uma investigação britânica, quase uma década mais tarde, apontou como culpados dois russos que beberam chá com a vítima em um hotel e concluiu que a responsabilidade foi de Moscovo, que mais uma vez negou qualquer envolvimento.


O ucraniano Viktor Yushchenko

Em 2004, o candidato de oposição ucraniano Viktor Yushchenko, herói da Revolução Laranja, ficou gravemente doente em plena campanha para as eleições presidenciais entre ele e o favorito de Moscovo, Viktor Yanukovitch.

Médicos austríacos identificaram um envenenamento por dioxinas três meses depois. O seu rosto, então deformado e com várias marcas similares às da varíola, ainda apresenta vestígios da doença.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.