"Neste momento, é o caos na Unidade de Saúde Familiar, na Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (Extensão de Semide) e na Unidade de Cuidados Continuados, com apenas um assistente operacional para dar apoio a estes três serviços", disse à agência Lusa Rui Fernandes, daquele movimento.

Segundo adiantou, três assistentes operacionais estão de baixa médica devido a uma situação de ‘burnout' (síndrome de exaustão profissional), porque foram obrigados a trabalho contíguo e não os deixaram tirar férias".

A falta de assistentes operacionais, acrescenta Rui Fernandes, levou à suspensão dos serviços de enfermagem ao domicílio e tem também implicações na limpeza dos espaços.

O pessoal da limpeza, afeto a uma empresa contratada, presta serviço diariamente das 12:00 às 14:00 e das 16:00 às 20:00, mas fora da sala de tratamento, que era uma função dos assistentes operacionais.

"Devido há falta de assistentes, não existe quem limpe a sala de tratamento, nem despeje o lixo contaminado, colocando em causa a segurança dos próprios utentes", frisou Rui Fernandes.

O Movimento de Utentes do Centro de Saúde de Miranda do Corvo denunciou também a inexistência de telefonista há mais de um ano, provocando muitos constrangimentos aos utentes.

"Se o funcionário administrativo tiver disponibilidade, atende o telefone, caso contrário ninguém atende o utente", sublinhou Rui Fernandes, que considera ainda "surreal" que o serviço de segurança contratado só funcione das 18:30 às 20:00.

O movimento "manifesta a sua preocupação" pela situação e vai solicitar uma reunião à Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) para reivindicar uma solução para um "problema que tem tempo mais do que suficiente para estar resolvido".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.