Os portugueses consomem, em média, o dobro da quantidade de sal recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O consumo excessivo de sódio está associado a várias doenças, como a hipertensão, que afeta mais de um terço da população nacional.

Sugestões práticas para reduzir o consumo diário de sal
Sugestões práticas para reduzir o consumo diário de sal
Ver artigo

Segundo a Sociedade Portuguesa de Hipertensão, os doentes hipertensos têm um maior risco de morte ou desenvolvimento de determinadas doenças como a insuficiência cardíaca, acidentes vasculares cerebrais (AVC), enfarte do miocárdio, insuficiência renal ou perda gradual da visão. Falámos com a professora Conceição Calhau, nutricionista e docente da NOVA Medical School.

Qual é afinal a quantidade de sal que podemos ingerir diariamente sem riscos? 

A Organização Mundial da Saúde recomenda o consumo máximo diário de 5 gramas de sal para um adulto e de até 3 gramas diárias para as crianças. No entanto, de acordo com o estudo PHYSA - Portuguese Hypertension and Salt Study, o consumo de sal na população portuguesa é de 10,7g, ou seja, o dobro do consumo máximo recomendado pela OMS. Em Portugal consumimos 30 toneladas de sal a mais por dia.

Como é que os portugueses consomem tanto sal?

O sal adicionado no momento de confeção dos alimentos contribui em 29,2% para esta prática, o pão e as tostas, 18,5%, a sopa, 8,2% e os produtos de charcutaria e carnes processadas têm um contributo de 6,9%. O pão, os produtos de charcutaria e a sopa contribuem para que cerca de 7,8 milhões de portugueses apresentem ingestão elevada de sódio.

Um consumo médio diário de sal inferior a 5 gramas reduz em 23% a morte por AVC e em 17% a doença cardiovascular

O que tem sido feito para inverter esta situação?

A Direção-geral da Saúde lançou ferramentas como o descodificador de rótulos, que ajuda a interpretar e usar a informação nutricional (em particular os teores de sal) nas escolhas dos produtos alimentares e manuais sobre a utilização das ervas aromáticas. Ao nível político, a aprovação da lei dos teores de sal no pão (Lei 75 de 2009), que obriga a que o pão tenha no máximo 1,4 g de sal por 100 g de pão, deve ter sido a medida que mais contribuiu para a descida do valor de consumo de sal de mais de 12 g/dia para 10,7 g/dia.

Mas há outras iniciativas, como aplicação de uma taxa sobre produtos com elevado conteúdo de sal - uma das propostas para o orçamento de estado de 2018 e que foi chumbada na assembleia da república em novembro de 2017; ou p protocolo de compromisso entre a DGS e indústria da panificação para reduzir os teores de sal no pão, de 1,4 para 1,0/100 g de pão até 2021.

Estes 15 alimentos parecem saudáveis mas não são
Estes 15 alimentos parecem saudáveis mas não são
Ver artigo

Mas por que motivo o sal em excesso é tão perigoso? 

O consumo elevado de sal aumenta o risco de Hipertensão Arterial, um dos principais fatores modificáveis que condicionam o excesso de mortalidade por AVC. O estudo Global Burden of Disease (GBD) realizado em 2016 revela que os hábitos alimentares inadequados dos portugueses são o segundo fator de risco que mais contribuiu para a mortalidade precoce. 

Um consumo médio diário de sal inferior a 5 gramas reduz em 23% a morte por AVC e em 17% a doença cardiovascular.

A hipertensão é uma doença comum em Portugal? 

Em Portugal existem 2 milhões de hipertensos, segundo o estudo PHYSA - Portuguese Hypertension and Salt Study, estimando-se que a prevalência de hipertensão arterial na população adulta portuguesa seja de 42,1%, sendo que apenas 50% destas pessoas sabem que sofrem da doença, 25% estão medicadas e só 11% têm a tensão arterial controlada. 

No mundo, morrem anualmente 3 milhões de pessoas na sequência de doenças cardiovasculares provocadas pelo excesso de consumo de sal. 

Para reduzir o consumo de sal existem alternativas saudáveis do ponto de vista de preparação dos alimentos, tais como a utilização de ervas aromáticas, nutricionalmente ricas em agentes antioxidantes e anti-inflamatórios

Como se manifesta a hipertensão?

Nos primeiros anos, a hipertensão arterial não provoca quaisquer sintomas ou sinais de doença. Com o decorrer dos anos, a pressão arterial acaba por lesar os vasos sanguíneos e os principais órgãos do organismo, como o cérebro, o coração e rins, provocando sinais e sintomas como dores de cabeça, tonturas, zumbidos e aumento da frequência cardíaca.

12 coisas que acontecem ao corpo quando come ovos
12 coisas que acontecem ao corpo quando come ovos
Ver artigo

Que outras doenças pode provocar?

As principais doenças associadas à hipertensão arterial são o AVC, a angina de peito, o enfarte do miocárdio, a aterosclerose, a insuficiência cardíaca e a insuficiência renal. No entanto, a hipertensão é o fator de risco cardiovascular modificável mais frequente, razão pela qual o seu tratamento é essencial na prevenção destas doenças.

Como se pode prevenir?

O consumo elevado de sal aumenta o risco de hipertensão arterial, logo a redução da ingestão deste produto terá impactos positivos neste indicador. E para reduzir o consumo de sal existem alternativas saudáveis do ponto de vista de preparação dos alimentos, tais como a utilização de ervas aromáticas, nutricionalmente ricas em agentes antioxidantes e anti-inflamatórios. 

Acaba de lançar um novo estudo em Portugal que pretende, precisamente, estudar o consumo de sal no país. Que estudo é? 

É uma investigação é inédita em Portugal, uma vez que é a primeira vez que vai ser levada a cabo uma avaliação e medição rigorosas à população sobre o consumo de sal e suas consequências diretas na saúde, através de um estudo de intervenção onde serão também demonstrados os benefícios imediatos de uma mudança de hábitos alimentares na população.

O estudo será coordenado por mim e Jorge Polónia, médico e professor na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Vamos recrutar participantes entre os 20 e os 70 anos da área metropolitana de Lisboa que, durante três meses, entre março e maio, vão integrar um programa de educação alimentar para reduzir o consumo do sal. O estudo tem como objetivo avaliar o impacto destas alterações alimentares na saúde dos participantes e consequentemente na saúde dos portugueses.

12 alimentos com muito ácido ascórbico. O seu sistema imunitário agradece
12 alimentos com muito ácido ascórbico. O seu sistema imunitário agradece
Ver artigo

Este estudo faz parte do programa "Menos Sal Portugal", criado em parceria pela rede CUF e pelo Pingo Doce, com o objetivo de sensibilizar a população portuguesa para a redução do consumo do sal uma vez que a OMS estabeleceu como meta a redução em 30% da ingestão de sal até 2025.

A equipa de investigadores vai recrutar 500 voluntários entre os 20 e os 70 anos da área metropolitana de Lisboa. Os voluntários serão acompanhados por uma equipa de nutricionistas, quer em consulta, nas Unidades CUF, quer no decorrer das compras a realizar nas lojas Pingo Doce. Todos os interessados deverão enviar email para estudosaude2019@gmail.com.

Quando esperam apresentar conclusões? 

O estudo deverá decorrer entre março e maio. Findo esse período teremos de fazer uma análise compreensiva dos resultados pelo que é expectável termos as conclusões durante o mês de setembro.

Quais são as conclusões a que esperam chegar? 

É nosso objetivo demonstrar que a reeducação alimentar, através da redução do consumo de sal, tem impactos positivos efetivos na saúde dos participantes porque a hipertensão é o fator de risco cardiovascular modificável mais frequente, razão pela qual o seu tratamento e a adoção de comportamentos preventivos é essencial na prevenção de várias doenças. Pretende-se no final do estudo, que a excreção urinária de sódio traduza um menor consumo de sal, comparativamente ao momento inicial, sobretudo nas situações acima dos 5 g/dia.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.