Em declarações à agência Lusa, o presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, Alexandre Valentim Lourenço, explicou que os hospitais estão a trabalhar para além do planeamento de contingência feito no início da pandemia.

“Estamos a chegar ao final da linha, porque os hospitais que tinham no seu plano inicial de contingência 100/120 camas para covid estão a chegar às 200/300, o que significa que já ultrapassaram aquilo que era o seu plano inicial de contingência feita há uns meses”, salientou, acrescentando que os hospitais passaram a dedicar-se em cerca de 60% à covid-19.

Revelando preocupação sobre a falta de resposta das outras especialidades, o dirigente precisou que os hospitais — centrais e periféricos — não estão a conseguir internar “doentes de média gravidade” ou a dar atenção a outros doentes que precisam de cuidados hospitalares.

“A nossa grande preocupação é não só a mortalidade e o impacto da doença covid, mas também que estes hospitais periféricos e os centrais estão a ter menor resposta para as outras doenças que têm igual ou maior gravidade e que também matam com frequência”, ressalvou.

De acordo com Alexandre Valentim Lourenço, os hospitais deixaram de conseguir dar resposta a especialidades como a urologia, a cirurgia plástica ou a dermatologia, que tinham camas de internamento, e a patologias não urgentes.

“Neste momento, estamos a ter pediatras a ver adultos, estamos a ter outras especialidades a tratar de doentes de pneumonia covid, quando isso não é o habitual, mas o necessário. […] Nós não estamos a fazer o melhor, estamos a fazer o que necessário para resolver estes problemas”, indicou.

Para o presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, não existe uma coordenação efetiva das medidas tomar por cada hospital.

“O planeamento neste momento não é possível. Já não era bom e já não existia. Agora torna-se difícil de resolver e por isso cada hospital tem de resolver os seus problemas, e contar com a boa vontade e colaboração dos outros”, explicou.

Questionado sobre o problema na rede de oxigénio do Hospital Amadora-Sintra, que obrigou a transferir mais de quatro dezenas de doentes para outras unidades, na terça-feira, Alexandre Valentim Lourenço considerou que “todos os meios estão em falta”.

“No momento em que nós já temos de transferir, numa noite, por sobrecarga do sistema, [algumas dezenas de] doentes de um hospital para outros, que ainda os conseguem receber, significa que esse hospital já não tinha capacidades e os meios técnicos, logísticos, e os recursos humanos já não são os adequados”, disse, notando que “os sistemas não são elásticos”.

Alexandre Valentim Lourenço perspetivou que as próximas semanas servirão para perceber a evolução do problema, recordando que está a haver uma “sobrecarga de trabalho brutal de equipas, que estão exaustas” e têm dificuldade em fazer o seu trabalho normal.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde afirmou hoje que o Governo está atento às diferentes taxas de esforço dos hospitais da Área Metropolitana de Lisboa, por forma a haver um maior equilíbrio.

“Estamos atentos às taxas de esforço de forma a equilibrarmos essas taxas de esforço, para que não haja hospitais com 50%, 60% ou 70% e outros com 25% e 30%”, disse António Lacerda Sales, que falava aos jornalistas após uma visita a uma estrutura de retaguarda de combate à covid-19, instalada no Hospital Militar de Coimbra.

O secretário de Estado respondia a questões dos jornalistas sobre um documento conjunto das administrações de sete hospitais da Área Metropolitana de Lisboa, que criticaram a distribuição de doentes entre os hospitais da região, referindo que as unidades periféricas têm uma maior taxa de esforço do que as centrais.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.