Ilka Brühl nasceu com um problema genético raro. A displasia ectodérmica afetou-lhe a estrutura facial, provocando-lhe fissuras no rosto e deformações nas fossas nasais, assim como num dos seus sacos lacrimais. Depois de 10 operações e de uma infância marcada por episódios de bullying, pela vergonha pela sua condição e por uma baixa autoestima, a alemã fez uma descoberta que lhe mudou a vida, a fotografia.

Tudo começou em 2014 quando Ilka Brühl fez a sua primeira sessão fotográfica. "No caminho [para o fotógrafo], estive prestes a voltar para trás", recorda, contudo. "Estava tão apavorada… Achava que iriam rir-se de mim quando me vissem realmente", confessa a agora modelo. Esse primeiro contacto com a fotografia foi, no entanto, um dos pontos de viragem da sua vida, como hoje assume.

Mancha de nascença no rosto não impede brasileira de trabalhar como modelo
Mancha de nascença no rosto não impede brasileira de trabalhar como modelo
Ver artigo

"Estar à frente das câmaras tem-me demonstrado que cada defeito [que temos] e que cada erro [que cometemos] fazem parte de nós e que não há mal nenhum nisso", acrescenta, admitindo que entregar-se, de corpo e alma, a esta nova carreira foi uma forma de autoterapia.

Hoje, Ilka Brühl é uma mulher poderosa e confiante, que serve de fonte de inspiração aos milhares de pessoas que a seguem nas redes sociais.

Com mais de 14.000 seguidores no Instagram e mais de 3.000 no Facebook, a modelo utiliza, sobretudo, estas plataformas para espalhar a sua mensagem de amor e de autoaceitação. "Todos somos bonitos, cada um à sua maneira", escreve a alemã. "Há apenas uma única forma de se ser feio, tendo uma personalidade feia", refere ainda. Veja, de seguida, algumas das fotografias que integram o seu portefólio.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.