Sem funeral de Estado

O Palácio de Buckingham anunciou esta sexta-feira (9) que a rainha Isabel II, está "a considerar" como irá conduzir o seu funeral e os possíveis eventos oficiais de celebração. "Os detalhes serão confirmados no devido tempo", disse ela.

No entanto, o Colégio de Armas, uma organização estreitamente relacionada à aplicação dos protocolos reais, afirmou no seu site que o príncipe Philip não terá um funeral de Estado e que o seu caixão não será exposto publicamente.

Os seus restos mortais repousarão no Castelo de Windsor, a oeste de Londres, antes de um funeral na Capela de St. George, "de acordo com a tradição e os desejos de Sua Alteza Real", explicou.

As cerimónias e homenagens tiveram que ser revistas devido à COVID-19. Para evitar o risco de contágio, a família real pediu aos britânicos que não fossem às residências reais, como o Palácio de Buckingham, para levar flores, mas sim que fizessem uma doação a uma instituição de caridade.

Além disso, um livro virtual de condolências também foi publicado na Internet.

Pelas novas regras de relaxamento do confinamento contra o coronavírus, a partir da próxima segunda-feira, no máximo 30 pessoas poderão comparecer a um funeral.

Simplicidade

A simplicidade prevista para a cerimónia condiz com a personalidade do duque de Edimburgo, que queria um funeral "sem muito alvoroço", segundo os colunistas reais. No entanto, contrasta com tributos anteriores a membros proeminentes da família real.

O caixão da mãe de Isabel II foi colocado no Westminster Hall, o edifício do Parlamento de Londres, após a sua morte em 2002. Cerca de 200 mil pessoas foram prestar as suas homenagens, com uma fila de vários quilómetros de extensão.

Philip, um ex-comandante da marinha, expressou o seu desejo por um funeral ao estilo militar na Capela de St. George, no Castelo de Windsor.

De acordo com os média britânicos, o duque de Edimburgo não queria ser enterrado na Capela de St. George ou na Abadia de Westminster, mas sim nos Jardins de Frogmore, adjacentes ao castelo.

A propriedade abriga o mausoléu da Rainha Vitória e do seu marido Albert. Edward VIII, que abdicou para se casar com a americana divorciada Wallis Simpson, também está lá enterrado.

Protocolo

Parece que o consorte esteve pessoalmente envolvido nos preparativos para o seu funeral, coordenados pelo gabinete do Lord Chamberlain no Palácio de Buckingham.

O Lord Chamberlain, atualmente William Peel, é o oficial do mais alto escalão na casa real e o seu gabinete organiza cerimónias como casamentos reais e visitas de Estado.

Segundo o protocolo, o Lord Chamberlain consulta primeiro o primeiro-ministro e depois a rainha para chegar a um acordo sobre o anúncio do falecimento e, posteriormente, sobre o funeral de um membro da família real.

Luto nacional

As bandeiras oficiais serão colocadas a meia-haste até às 8h locais do dia seguinte ao funeral. A bandeira real sobre a residência real, por sua vez, continuará a ondular para simbolizar a continuidade da monarquia.

Normalmente, o funeral de um alto membro da família real ocorre oito dias após a sua morte, de acordo com a associação nacional de oficiais cívicos.

Os membros da família real e da casa real vestirão roupas escuras. No dia do serviço fúnebre, também poderão ser reservados dois minutos de silêncio.

O último grande funeral real foi o da rainha-mãe, pouco mais de um mês após a morte da sua filha mais nova e irmã de Isabel II, a princesa Margaret.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.