A Adega de Cantanhede faturou o ano passado 7,3 milhões de euros, mais 2 milhões que o anterior recorde. Neste momento, é o maior produtor da Bairrada e o que mais vende vinhos DOC. Nos últimos anos tem acumulado prémios para os seus vinhos, cujo número ultrapassa já o meio milhar. Um panorama risonho que nada faz suspeitar que, há menos de 10 anos, a empresa esteve à beira do precipício…

Em 2010 entrava Vitor Damião e uma nova direção. Vitor não quis falar muito do que encontrou, mas sabemos apenas que chegou a avalizar pessoalmente empréstimos à cooperativa. A situação foi melhorando a pouco e pouco e em 2011 entra Osvaldo Amado, que acabou por fazer muito mais do que mera consultoria de enologia, desenhando toda a estratégia de produção, encaixada no resto das estratégias empresariais (comercial, financeira, etc). Foi ele o obreiro do que Vitor Damião chama de “coerência na qualidade dos vinhos”, que leva depois à fidelização do consumidor. Os vinhos de topo começam a aparecer: O Foral de Cantanhede, o Grande Reserva, o Reserva Baga. E vendem-se, apesar de alguns preços bem elevados. As uvas, que valiam 20 cêntimos o quilo, são agora pagas, no mínimo, a 35 cêntimos. E quando começa uma vindima, a adega tem as contas saldadas do ano anterior. Outro pormenor relevante: os gestores bancários, que fugiam da adega, começam a visitá-la… Muita coisa mudou, de facto, em menos de uma década.

Cantanhede tem 525 associados activos, que entregam uva. No total, contudo, são quase o triplo, porque muita gente quer manter o estatuto de associado para ter descontos na loja. No total, os associados possuem cerca de mil hectares de vinha, mas é quase tudo em minifúndio: o maior associado tem cerca de 12 hectares e é a Santa Casa da Misericórdia local.

Uma riqueza de vinha

Deixamos a gestão e vamos com a equipa até às Covas de Vale Maior, uma zona onde se avista um mar de parcelas de vinha. Estamos naquela que poderá ser considerada como uma das melhores zonas de Baga (e não só) da Bairrada. Vitor Damião fala do quadrilátero Ourentã, Cordinhã, Póvoa da Lomba e Pocariça, que terá “a maior mancha de vinha contínua da Bairrada; pelo menos de Baga”. Na verdade, são cerca de 1.300 hectares de solos argilo-calcários, onde a Baga se dá muito bem. Não é só o solo a brilhar: as condições climatéricas também aqui são diferentes, como nos diz Vitor Damião: “a proximidade ao mar [20 km] dá-nos frescura e maturações lentas, que a Baga gosta”. Uma boa parte destas vinhas são de associados da Adega de Cantanhede, e algumas têm mais de um século. Esta é uma riqueza que a direcção não ignora e por isso cativou, se assim se pode dizer, uma parte: “Temos cerca de 50 hectares de vinhas cadastradas onde fazemos uma espécie de gestão própria”, confessa Osvaldo Amado. Para o futuro virá daqui um vinho especial, mas o enólogo não quer levantar o véu…

É um dos membros da direção, Albino Costa, que nos mostra as vinhas. “Estes terrenos são maravilhosos”, diz Albino, que admira o facto de aqui não se verem pedras à superfície, ao contrário de ali ao lado. Tem mais argila que calcário, diz Vitor Damião.

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região
A equipa na vinha: Maria Miguel (exportação), Vitor Damião (presidente), Osvaldo Amado (enólogo consultor), Albino Lopes (direcção) e Ivo Almeida (enólogo residente). créditos: Ricardo Gomez

Albino leva-nos a conhecer uma parcela com mais de 100 anos, com as cepas todas retorcidas pela idade. Revela que o solo argiloso conserva melhor a humidade e dá de beber à planta nos dias de grandes calores e seca. Os últimos anos têm sido benéficos, neste aspecto, para a Baga, sobretudo por causa da vindima sem chuva.

Ainda assim, logo a seguir ao pintor, a adega instalou mais de 80 postos de controlo de maturação, com duas pessoas em permanência. É com base nestes resultados que a equipa técnica determina a data de vindima e avisa o respectivo associado com alguns dias de antecedência. Com vindimas manuais, o grande inimigo é aqui a chuva, que ataca a Baga e a faz apodrecer rapidamente. Por isso há sempre folga nas marcações e nunca se sabe se é preciso acelerar. A adega recebe entre 5 e 7 mil toneladas de uva por ano, mas já chegou aos 9 mil, em outros tempos: “muita gente aproveitou os subsídios da CEE ao arranque de vinha”, diz-nos Vitor Damião.

Baga e Arinto são as estrelas da casa

A Baga representa cerca de 40% da uva que entra em Cantanhede. É usada para tintos, claro, mas também para espumantes e rosés. O espumante é uma das estrelas da casa, produzido em muita quantidade (cerca de 40% da produção total!) e a Baga cai aqui que ‘nem ginjas’: “a sua acidez natural é cada vez mais procurada”, diz Osvaldo. Cantanhede produz espumantes desde 5 até 27 euros a garrafa e já tem desistido de negócios porque o comprador queria pagar menos.

Durante a vindima, as uvas são analisadas à chegada e o preço pago passa por mais do que o quilo e o grau alcoólico potencial. Um aparelho chamado WineScan dá mais parâmetros e eles são contabilizados no preço final. Ou seja, uvas com pouca qualidade não levam benefício de preço. E depois, existem castas que podem ter majorações, como a Baga e o Arinto.

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região
créditos: Ricardo Gomez

Osvaldo é talvez o maior fã de Arinto em Portugal: “não tenho dúvidas de que é a melhor casta branca portuguesa; é amiga do agricultor e do enólogo. Consigo Arintos de muito boa qualidade com 8, 10 ou mesmo 12 toneladas por hectare”. Das castas brancas, Cantanhede tem cerca de 30% em Arinto, mas Osvaldo ficaria feliz se tivesse o dobro. Outra casta branca típica da região é o Bical, e é defendida pelo presidente: de facto, Vitor Damião nunca esqueceu que vinhos com esta casta ganhavam primeiros prémios em concursos locais. Mas, verdade seja dita, Osvaldo só em 2018 achou que o Bical tinha qualidade para se estrear a solo. Este vinho tem 12 meses de estágio, mas o Arinto tem 18 meses! Osvaldo acha que só ganham com isso e, sejamos francos, estamos a falar de tiragens relativamente pequenas, se comparadas com os vinhos mais vendidos.

Uma adega sempre modernizada

Na adega faz-se muita experimentação e Osvaldo delega muita coisa em Ivo Almeida, o enólogo residente. Nenhum procedimento é executado (uma colagem, uma filtração, lotes…) sem antes ter sido testado e avaliado economicamente. Por isso, o bem equipado laboratório tem trabalho todos os dias, a todas as horas. Os lotes são feitos ao gosto do consumidor, mas cada vinho tem o seu padrão e estilo, previamente definido.

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região
créditos: Ricardo Gomez

Ao longo dos anos a adega tem investido bastante em equipamentos para melhorar a qualidade. O sistema de frio é novo e, por exemplo, foi adquirida uma enorme prensa pneumática de vácuo, ideal para prensar as uvas para os espumantes de Baga. Não falta sequer um belo parque de barricas, muitas delas novas.

Nos próximos tempos Cantanhede vai comprar uma segunda linha de engarrafamento e fazer uma nova estação de tratamento de águas.

As caves onde repousa o espumante, adaptadas em grande parte de antigos depósitos, está muito bem arranjada, não só a nível de condições de temperatura como de estética. Existe um outro espaço de armazenamento, mas como é térreo, tem que ter ar condicionado. Em qualquer momento, Cantanhede tem, pelo menos, 200.000 garrafas em estágio.

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região
créditos: Ricardo Gomez

Como as perspetivas apontam para o crescimento, Cantanhede quer também expandir a área da adega. A oportunidade surgiu logo ao lado, num terreno com vários enormes balões de cimento. Para o visitante fará tudo parte de Cantanhede, mas não é assim. Este espaço pertence ao Instituto da Vinha e do Vinho e está sem utilização. Mas fazia muito jeito à cooperativa para armazéns. A adega tem estado a negociar com o instituto público que gere esta venda, mas o preço pedido é, segundo Vitor Damião, “muito alto”.

De Cantanhede para o mundo

Se a área comercial e da distribuição foram ‘revitalizadas’ desde 2010, provavelmente a que levou maiores mudanças foi a de exportação. Em 2010 estava nuns magros 10%, hoje representa 35% da produção, mas é para aumentar. Brasil, Rússia e Canadá são os maiores mercados e, em média, os preços para exportação são mais caros que para o mercado nacional. Maria Miguel é a principal responsável por esta área.

A bem arranjada loja da casa dá também uma boa ajuda. Traz à memória as velhas mercearias finas ou mesmo farmácias, com os seus bonitos armários e estantes de madeira. Já cá está há muitos anos e de facto é uma mais-valia para a casa: Vitor Damião diz-nos que saem daqui cerca de 400.000 euros de vinho (e não só) por ano. Muito bom, considerando que os preços ao público não são mais baixos que os que se conseguem encontrar nas grandes cadeias de retalho. Mas o público adere: “temos uma grande preocupação em ter os vinhos com a melhor relação preço/qualidade”, diz Osvaldo.

Agora que tudo começa a entrar nos eixos, a direção aponta também para os arranjos exteriores da adega. Alguma coisa foi feita, mas muito mais acontecerá nos próximos anos.

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região
créditos: Ricardo Gomez

Outra área onde Cantanhede tem apostado é nas certificações de qualidade. A mais recente, ainda a decorrer, é a certificação IFS Food, muito exigente e rigorosa, mas que ajuda a abrir portas em mercados internacionais. Obras, equipamentos, procedimentos, muita coisa teve que ser alterada, garantiu-nos Vitor Damião.

O que mudou em Cantanhede em menos de uma década é de facto impressionante. E uma lição do que é possível fazer com trabalho, dedicação e profissionalismo. Hoje, a cooperativa tem um invejável portefólio de vinhos e goza de uma notoriedade como nunca: “A imagem da adega é muito boa, tanto na região, como no país e mesmo a nível internacional”, assegura Vitor Damião.

EM PROVA

Marquês de Marialva Cuvée, Bairrada, Espumante Branco, 2014

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região

PVP médio indicado pelo produtor: 27.00

Nota de prova: 17

https://grandesescolhas.com/vinho/marques-de-marialva-cuvee-2/

Tem uma atrativa cor de “blanc de noirs”, com leves bronzeados, aroma profundo e coplexo, maçã fresca, citrinos, suaves notas de biscoito a denunciarem o estágio prolongado em garrafa. Envolvente, muito harmonioso, com final longo, refrescante e cheio de sabor. Saiba mais aqui.

Marquês de Marialva, Bairrada, Bical, Reserva Branco, 2017

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região

PVP médio indicado pelo produtor: 7,95

Nota de prova: 16

O aroma mostra o perfil do Bical nas notas de alperce e pera, envolvidas em discretas nuances fumadas. Encorpado e cremoso na boca, com apontamentos de laranja madura, bom equilíbrio ácido a dar presença ao conjunto. Amplo, sedoso, apelativo. Saiba mais aqui.

Marquês de Marialva, Bairrada, Arinto, Reserva Branco, 2017

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região

PVP médio indicado pelo produtor: 7,95

Nota de prova: 16,5

Muito boa expressão de casta, atractivas notas de limão maduro, folha e flor de limoeiro, muito puro e expressivo. O sabor é cheio e envolvente mas avivado por uma acidez limonada e crocante que lhe confere bastante frescura. Um bom exemplo da casta com excelente preço. Saiba mais aqui.

Marquês de Marialva, Bairrada, Arinto, Grande Reserva Branco, 2015

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região

PVP médio indicado pelo produtor: 16,95

Nota de prova: 17

Mostra uma bonita cor citrina, sem traços de evolução, e aroma surpreendentemente jovem e fresco, com bastantes notas citrinas de limão, lima, laranja, um leve toque floral a dar elegância. Curiosamente, a barrica está bem mais evidente na boca do que no nariz, com a baunilha e a tosta a envolver a fruta, mas sem perder a vivacidade conferida pela generosa acidez. Saiba mais aqui.

Marquês de Marialva, Bairrada, Espumante Bical/Arinto, Reserva Branco, 2015

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região

PVP médio indicado pelo produtor: 10,95

Nota de prova: 16,5

Uma boa combinação das duas castas brancas, com atractiva presença frutada, citrinos bonitos e expressivos, um toque de maçã verde e ácida. Apesar de encorpado, conjuga leveza de boca (a bolha fina ajuda) com uma grande frescura, o equilíbrio é a nota dominante. Saiba mais aqui.

Marquês de Marialva 65 anos, Bairrada, Tinto, 2001

65 anos de Bairrada. Adega de Cantanhede é a única adega cooperativa que sobreviveu na região

PVP médio indicado pelo produtor: 90

Nota de prova: 18

O vinho comemorativo do aniversário da Adega evidencia todo o carácter da Baga no terroir de Cantanhede. Com excelente cor para a idade, apresenta-se num registo profundo e amplo, com aromas e sabores complexos de frutos silvestres, balsâmicos, cassis, fumados muito delicados. O corpo cheio envolve os taninos da casta, a acidez franca e integrada dá-lhe muita frescura e assegura a longevidade. Um belo Bairrada, que mostra bem de onde vem. Saiba mais aqui.

 Notas de prova: Luís Lopes


 Artigo publicado na Revista Grandes Escolhas, Edição nº28, agosto de 2019.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.