Qual a principal causa de cancro da cabeça e pescoço?

O cancro de cabeça e pescoço está relacionado, essencialmente, com hábitos de vida. Falo, essencialmente, do tabagismo, da ingestão regular de bebidas alcoólicas e da infeção HPV (vírus do papiloma humano) – infeção sexualmente transmissível que está implicada na génese de uma percentagem importante de um dos tipos de cancro de cabeça e pescoço (cancro da orofaringe).

"Sintomas do cancro da cabeça e pescoço são facilmente desvalorizados", alerta médica
"Sintomas do cancro da cabeça e pescoço são facilmente desvalorizados", alerta médica
Ver artigo

Quais são os principais grupos de risco?

Existem dois grandes grupos de risco: o grupo de pessoas fumadoras e/ou alcoólicas (geralmente homens, com cerca de 50 anos, maioritariamente de estratos sociais mais baixos) e o grupo de pessoas não fumadoras, ou com baixa carga tabágica, tanto do género masculino como feminino, geralmente mais jovens e com história de vários parceiros sexuais.

Existe um grupo de risco menos expressivo, que são os doentes idosos com próteses dentárias mal-adaptadas, em particular em casos de higiene oral deficitária (nos casos de cancro da cavidade oral).

Por que motivo a doença está a aumentar entre os jovens? 

Os hábitos tabágicos estão a diminuir, o que irá conduzir, provavelmente, a uma diminuição dos casos do primeiro grupo de risco que descrevi (à semelhança do que aconteceu nos Estados Unidos). Esta tendência faz com que se torne mais expressivo o cancro da orofaringe relacionado com o HPV. Por outro lado, os comportamentos sexuais promíscuos têm vindo a aumentar, principalmente nas camadas mais jovens, o que, em parte, explica este aumento.

Quais são os sinais e sintomas? São fáceis de identificar?

O cancro de cabeça e pescoço pode localizar-se em vários locais diferentes do trato aerodigestivo superior, em particular na cavidade oral, na faringe e na laringe. Cada uma destas localizações pode causar sintomas diversos. Na cavidade oral, os sintomas mais frequentes são lesões brancas ou vermelhas, por vezes similares a aftas, que não curam ao fim de três semanas. No caso do cancro da faringe, o sintoma mais frequente é a dificuldade ou dor em engolir. Os cancros da laringe ocasionam, com frequência, rouquidão que não passa ao fim de três semanas.

Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Ver artigo

Qualquer localização do cancro de cabeça e pescoço pode estar associada a nódulos no pescoço que, na grande maioria, correspondem a gânglios de tamanho aumentado. Os casos que estão associados a aumento dos gânglios são, geralmente, avançados pelo que requerem vários tipos de tratamento (cirurgia e/ou radioterapia associada, ou não, a quimioterapia).

Qual a incidência em Portugal?

Em Portugal, existem cerca de 3.000 novos casos por ano. Infelizmente, mais de metade dos casos são diagnosticados em fases avançadas, em que a probabilidade de cura é cerca de 50% e com tratamentos agressivos, de várias modalidades como já referi, o que condiciona mais sequelas dos tratamentos.

Existem tratamentos eficazes?

Nos casos que são diagnosticados em fase inicial, os tratamentos são mais simples, como cirurgias menos agressivas e sem necessidade de outros tratamentos complementares ou, em alternativa nalgumas localizações, radioterapia isolada. Infelizmente, hoje em dia, a maioria dos casos são diagnosticados em fase avançada, em que a possibilidade de cura existe, mas é francamente inferior e exige a realização de mais tratamentos e tratamentos mais agressivos (como a associação de cirurgias extensas com cirurgia de reconstrução e radioterapia). Se nos casos localizados, a probabilidade de cura ronda os 90%, nos casos avançados é inferior a 50%.

Em cerca de 10% dos casos, a doença é metastizada, o que significada que existem metástases noutros órgãos. O órgão mais frequentemente afetado é o pulmão.

10 alimentos que aumentam o risco de cancro
10 alimentos que aumentam o risco de cancro
Ver artigo

Nesses casos também existe tratamento?

Também na fase de doença metastizada, o tratamento tem evoluído muito. Hoje em dia, existem tratamentos médicos como a quimioterapia clássica, anticorpos e imunoterapia que, em diferentes combinações e sequências, permitiram que a sobrevivência desta doença aumentasse, com igual repercussão na qualidade de vida.

Conselhos e dicas para evitar esta doença

- Não fumar (ativa e passivamente);

- Não ingerir bebidas alcoólicas ou ingerir com moderação;

- Praticar sexo seguro;

- Ter uma boa higiene oral;

- Procurar apoio médico em caso de sintomas que não curem ao fim de 3 semanas (aftas, lesões brancas ou vermelhas na boca, rouquidão, dificuldade em engolir, nódulos no pescoço).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.