O presidente da ACSS, Victor Herdeiro, deu esta informação hoje quando participava na sessão de perguntas e respostas de um painel no fórum anual do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), organizado pela Estrutura de Missão Recuperar Portugal e a Comissão Europeia, no Museu dos Coches, em Lisboa.

Salientando o impacto do PRR na saúde, Vítor Herdeiro assinalou a importância de atenuar a afluência de doentes não urgentes às urgências hospitalares.

“É garantir que os doentes que são triados a verde ou azul nas urgências possam ser reencaminhados para os cuidados de saúde primários. Portugal é conhecido por ter um acesso excessivo à urgência de doentes não urgentes. Uma circular que vai sair agora da ACSS vai exatamente enquadrar este plano no sentido em que as pessoas sejam atendidas”, disse.

O responsável da ACSS destacou que “naturalmente, as pessoas que precisarem de ir às urgências” poderão continuar a fazê-lo, mas defendeu a importância de “aprofundar” a relação – “que já existe” - entre unidades hospitalares e cuidados de saúde primários.

“A expectativa é que até ao final do ano já se consiga sentir essas alterações e no ano seguinte se sinta de uma forma mais intensa”, acrescentou.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.