Um jardim de ervas não é apenas um espaço repleto de cores e aromas deliciosos. É também uma zona de plantas frescas para usos medicinais, cosméticos e culinários, à sua disposição durante praticamente todo o ano. A característica que as diferencia é a fragrância que, ao contrário das outras plantas, se concentra nas folhas e não nas flores. As folhas libertam óleos essenciais ao serem trituradas ou aquecidas.

Além das herbáceas vivazes, as espécies que formam parte do grupo das aromáticas e medicinais incluem anuais, arbustos e até árvores, pelo que a variedade é enorme, assim como os tamanhos, desde as rasteiras ao loureiro. Apesar das suas qualidades reconhecidas desde há séculos e dos seus benefícios, estas devem ser usadas com moderação e sempre respeitando os métodos e doses indicadas.

Uma das grandes vantagens é que pode ter estas plantas em casa durante praticamente todo o ano. Siga os nossos conselhos e mantenha uma série de plantas úteis para a sua saúde. Estes são alguns dos cuidados que deve ter para garantir um desenvolvimento sustentado:

- Cultivo

A maioria destas plantas prefere locais com sol e solo bem drenado, embora algumas tolerem localizações húmidas e sombra parcial, como é o caso da erva-cidreira ou da salsa. Mas, principalmente, é importante que cresçam bem protegidas do vento, já que este faz baixar muito a temperatura em locais frios. Recomenda-se colocar estas plantas debaixo de uma sebe resistente de folha perene.

- Conservar a colheita

Secar este tipo de plantas é um bom método de conservação, que desativa os fermentos vegetais e elimina os vírus, bactérias e fungos. Coloque as plantas cortadas sobre uma rede de forma a arejar por cima e por baixo. Também pode atar as plantas em raminhos e pendurar em local seco e à sombra, expostas a corrente de ar. Se, após a secagem, triturar e voltar a secar, reforça a conservação.

Por último, introduza as plantas num recipiente de vidro escuro ou uma lata branca com fecho hermético, de forma a que fiquem ao abrigo da luz e da humidade, mantendo assim a sua qualidade. Não se esqueça de etiquetar as caixas com o nome da espécie e a data da colheita.

- Preparação do solo

Prepare o solo no outono. Elimine as daninhas, deixe o terreno sem cultivos durante todo o inverno e, na primavera, elimine as plantas que possam ter surgido e aplique adubo orgânico bem fermentado, por exemplo composto caseiro ou industrial. Com a forquilha, misture bem o terreno. Não é recomendável usar fertilizantes artificiais (a não ser específicos para espécies aromáticas) porque provocam desenvolvimentos fracos, pouco fragrantes e pouco resistentes a geadas.

- Multiplicação

A maioria destas espécies compartilha uma característica, a necessidade de renovação todos os anos para que não percam as benéficas qualidades ornamentais ou curativas. A estacaria, para este objetivo, é o procedimento ideal. Nas arbustivas (alecrim, salva, hissopo, lavanda ou tomilho), selecione estacas dos rebentos laterais entre finais do verão e início do outono, ou dos rebentos tenros na primavera e início do verão, se pretender desenvolvimento rápido.

Veja na página seguinte: Os cuidados a ter na fase da colheita

- Colheita

É óbvio que as flores colhem-se durante a floração, melhor no início desta e pela manhã, completamente abertas. Mas se o que necessita são folhas, faça a colheita antes da floração nas espécies caducifólias ou em qualquer altura nas que mantêm afolha. Retire as folhas das grandes de forma individual, das pequenas, com o respetivo ramo. Necessita toda a parte aérea? Aproveite também a floração. Escolha sempre um dia seco e a parte da manhã para estas operações.

- Localização

Reserve um local separado no jardim, por exemplo num canteiro de desenho atrativo como a clássica roda de carroça ou o tabuleiro de xadrez. Também as pode associar em maciços a plantas ornamentais. Junto a portas e janelas ou caminhos adquirem elevado poder decorativo. Mas também onde necessitar de um tapete fragrante com, por exemplo, tomilho e camomila.

- Em casa

Se pretende ter este tipo de plantas em casa pode colocar cada espécie num vaso e juntar todas, por exemplo, no parapeito da cozinha ou no pátio, ou ainda agrupar várias espécies numa jardineira. É importante que recebam luz de qualidade e ventilação suficiente. A humidade do substrato deve ser controlada todos os dias.

Regue quando estão secas. Faça replantações na primavera para que não percam propriedades. Escolha variedades de crescimento lento, nomeadamente salva, camomila, tomilho ou menta, entre outras. Coloque as mais altas na parte posterior da jardineira e as mais baixas à frente.

- Manutenção

Embora a primavera e o verão sejam as épocas de colheita da maioria, é possível ter este tipo de plantas durante todo o ano. Algumas, como a salsa, crescem durante o inverno se plantadas no final do verão e protegidas em gavetas. Outras, como o cebolinho ou a menta, que se extinguem naturalmente com o frio, podem ser forçadas.

Retire-as do solo no início do outono, faça a divisão e volte a plantar em vasos colocados em locais bem iluminados e sem corrente de ar ou geadas. O tomilho e o alecrim resistem todo o ano.

- Cuidados a ter

Se adquiriu as plantas em vaso, assegure-se que não estiveram em estufa quente. Neste caso, deve fazer a aclimatação à temperatura do jardim antes de as instalar no local definitivo, por exemplo, mantendo-as numa caixa no exterior. Regue os torrões de raízes antes de as retirar dos recipientes originais e imediatamente depois da plantação, com o objetivo de assentar a terra em redor das raízes.

Quase todas as aromáticas suportam sem problemas as mudanças térmicas e hídricas não muito intensas, desde que bem estabelecidas no jardim. De qualquer forma, evite a retenção da água para evitar podridão e perdas foliares. No inverno, em locais muito frios, proteja as mais delicadas com coberturas de palha ou folhas, sem deixar de regar.

Por outro lado, a colheita regular de folhas e ramos para diversos usos medicinais e culinários, reduz a necessidade de realizar podas drásticas. Um ligeiro recorte depois da floração pode ser suficiente. Controle, posteriormente, o desenvolvimento de ervas invasoras, inimigas das suas culturas.

Veja na página seguinte: As sete plantas aromáticas imprescindíveis 

As sete imprescindíveis:

- Equinácia

Colhida todo o ano. Utiliza-se a raiz para combater infeções respiratórias, acne e feridas.

- Camomila

Colhem-se as flores no verão, para usar em seco. Favorece a digestão e reduz a formação de gases. Trata úlceras e gengivites.

- Salva

Colhe-se em maio ou junho e secam-se as folhas à sombra. Trata doenças da boca e garganta e diminui a flatulência.

- Erva-cidreira

Colhe-se a parte aérea para usar fresca. Alivia transtornos digestivos, associados ao stresse. Regula a tensão arterial.

- Calêndula

Colhe-se no verão. Usam-se as flores e as pétalas. É recomendada para a prevenção e para o tratamento de erupções cutâneas e feridas. Alivia dor menstrual.

- Lavanda

Colhem-se as flores, no início do outono. Utilizada para dor de cabeça, depressão e esgotamento nervoso. É relaxante e antireumática.

- Alecrim

Colhem-se as folhas durante todo o ano. Estimula a circulação e o sistema nervoso, alivia as dores musculares e é digestiva.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.