O ator Manuel Moreira decidiu usar a sua conta de Instagram esta terça-feira, dia 25 de maio, para denunciar uma série de ataques homofóbicos de que tem sido alvo através desta rede social.

O ator publicou um vídeo no qual jovens pronunciam diversos insultos contra si, aproveitando o momento para deixar uma importante mensagem de consciencialização.

"Quem nunca fez parte de uma minoria qualquer tem dificuldade em fazer esse exercício de reflexão sobre o que é viver diariamente com medo de ser gozado, agredido e violentado física e psicologicamente apenas por se ser quem se é. Por se ser algo que, em certas idades, podemos até nós próprios não saber ainda identificar mas que já sabemos que por algum motivo absurdo desperta nos outros violência, gozo e desprezo", começa por referir.

"Eu cresci num tempo em que esses perigos, se não viessem de dentro da nossa própria família, 'só' existiam fora de casa. E mesmo assim vivi uma adolescência em constante sobressalto. Aos jovens de hoje, o bullying entra-lhes também pela casa dentro, pelos computadores e telemóveis. Tal como a mim me têm chegado, nas últimas semanas, vídeos e mensagens como esta, sempre deste mesmo grupo de jovens rapazes com as hormonas claramente descontroladas e que quando se juntam para beber, lembram-se de mim e de me chamar paneleiro e perguntar se quero 'ver a pi**' deles. Porque, claro, na cabeça deles a ideia de que um 'paneleiro' que não os conhece de lado nenhum tem interesse em lhes ver as pil*** que ainda nem devem saber usar deve fazer imenso sentido", lamenta.

Entretanto, nota: "Não conheço nem faço ideia quem são estes miúdos, mas se são crescidinhos para enviar repetidamente mensagens tão corajosas a desconhecidos (já bloqueei um ou dois mas eles vão alternando os perfis) são crescidos também para ficarem aqui expostos como exemplo daquilo que não se deve ser nem fazer".

"Eu tenho quase 40 anos, sou adulto e independente e estou-me nas tintas para quantas vezes me chamam paneleiro. Tenho, felizmente, idade e condições psicológicas e sociais para que isto já me seja absolutamente indiferente. Aproprio-me de todas essas palavras que possam vir com a intenção de insultar e uso a minha bichice com orgulho", defende.

"Mas olhem para este vídeo - vocês, os que nunca sofreram de bullying por serem gays, trans, gordos, negros, etc - e tentem imaginar o que é ter 12, 14, 16 anos, as idades de todas as dúvidas e receios, e esbarrar com este tipo de energia e este tipo de ataques (que podem descambar também em violência física) a cada esquina da escola, em cada beco, em cada fila para a cantina, em cada paragem de autocarro, ou nas caixas de mensagens do Instagram. E imaginem que são os vossos filhos a passar por isso. E lembrem-se disso de cada vez que tiverem preguiça de corrigir os preconceitos dos vossos filhos, dos vossos tios, dos vossos patrões, dos vossos colegas, porque 'não há paciência para a conversa do bullying'", termina.

Desde logo, o artista recebeu mensagens de apoio por parte de diversos seguidores.

Leia Também: Flávio Furtado lembra beijo na boca a Serginho em luta contra a homofobia

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.