Na terça-feira, a Comissão Europeia anunciou que a UE atingiu um “marco importante” de 70% da população adulta totalmente vacinada contra a covid-19, vincando porém ser necessário “ir além” desta meta devido às novas variantes, como a Delta.

Em entrevista à agência Lusa, o diretor do departamento de Vigilância do ECDC, Bruno Ciancio, assinala que este era um “objetivo programático” estipulado por Bruxelas, sendo que “o objetivo de saúde pública é vacinar a grande maioria, senão todos os que estão em risco de contrair doenças graves e de morrer”.

“Sabemos que, por exemplo, as pessoas a partir dos 45 e 50 anos de idade correm mais risco de contrair doença grave e de mortalidade em comparação com os grupos etários mais jovens e, portanto, precisamos de ser capazes de alcançar uma cobertura de vacinação muito elevada nestes grupos, acima dos 85% e dos 90%”, precisa o especialista.

Para o responsável, até a UE chegar a tal cobertura vacinal dos adultos mais velhos “há realmente um grande risco ao deixar o vírus circular”, dado o surgimento de novas estirpes cada vez mais contagiosas.

“Não há um alvo [de vacinação] específico, mas precisamos realmente de vacinar a maioria das pessoas, principalmente de grupos específicos”, acrescenta.

Para o ECDC, o objetivo é então que a UE “possa ter uma cobertura vacinal tão elevada que, mesmo que existam outras mutações endémicas, não haja grandes impactos na mortalidade”, de acordo Bruno Ciancio.

“E penso que podemos alcançar isto antes do final do ano”, antevê o especialista, notando que, se houvesse um aumento da cobertura vacinal, seria possível “controlar a pandemia pelo menos dentro da UE”.

Atualmente, um total de mais de 250 milhões de pessoas totalmente vacinadas no espaço comunitário, o equivalente a 70% dos adultos inoculados com as duas doses.

A ferramenta ‘online’ do ECDC para rastrear a vacinação na UE, que tem por base as notificações dos países (e por isso pode não estar totalmente atualizada) revela que a cobertura vacinal é mais baixa em países como a Bulgária (20% da população totalmente vacinada), Roménia (32%) e Letónia (47%) e mais elevada na Irlanda (87%), Dinamarca (84%) e Portugal (83%).

Estão aprovadas quatro vacinas anticovid-19 pelo regulador da UE: a Comirnaty (nome comercial da vacina Pfizer/BioNTech), Spikevax (nome comercial da vacina da Moderna), Vaxzevria (fármaco da AstraZeneca) e Janssen (grupo Johnson & Johnson).

Sediado na Suécia, o ECDC tem como missão ajudar os países europeus a dar resposta a surtos de doenças.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.