O limite de idade do ser humano tem sido amplamente debatido e estudos recentes indicam que a vida pode ser estendida até aos 150 anos. Outros referem mesmo que não há limite de idade do ponto de vista teórico.

Uma nova investigação, publicada nesta quarta-feira no jornal Open Science da Royal Society, entra na discussão com uma análise de novos dados de supercentenários (110 anos ou mais) e semi-supercentenários (105 anos ou mais).

Embora o risco de morte geralmente aumente com a idade, a análise desses cientistas mostra que o risco eventualmente estagna e permanece com uma chance de 50-50 de viver ou morrer.

"A partir dos 110, a probabilidade de viver mais um ano é como atirar uma moeda ao ar", disse Anthony Davison, professor de estatística do Instituto Federal Suíço de Tecnologia em Lausanne, que liderou o estudo. "Se sair cara, viverá o seu próximo aniversário. Do contrário, morrerá em algum momento do próximo ano", disse ele à AFP.

Com base nos dados disponíveis, parece possível que os humanos possam chegar aos 130 anos. Na verdade, se esses resultados forem extrapolados, "isso implica que não haveria limite para a expectativa de vida", pois sempre poderia sair cara no lançamento da moeda, refere a pesquisa.

O estudo tem por base um banco de dados publicado recentemente pelo International Longevity Database que cobre mais de 1.100 supercentenários de 13 países e outro da Itália com informações sobre todas as pessoas no país com 105 anos ou mais entre 2009 e 2015.

"Se houvesse um limite abaixo dos 130 anos, teríamos sido capazes de detectá-lo com os dados disponíveis agora", disse Davison. No entanto, embora em teoria possamos viver além de 130 anos, isso não significa que algum ser humano irá alcançá-lo em breve.

Para começar, a análise baseia-se em pessoas que já alcançaram a façanha de ultrapassar os cem anos. Mesmo com 110, as chances de chegar aos 130 são "uma em um milhão (...) não impossível, mas muito improvável", apontou.

De qualquer forma, o epidemiologista acredita que antes do final deste século, alguns humanos terão alcançado essa idade. Por enquanto, a pessoa que viveu mais é a francesa Jeanne Calment, que morreu em 1997 com a idade confirmada de 122 anos. Atualmente, a pessoa comprovada mais velha no mundo é a japonesa Kane Tanaka, com 118 anos.

Veja ainda: 10 alimentos que lhe devolvem anos de vida

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.