Os investigadores, que publicaram o seu trabalho na revista Annals of Internal Medicine, concluíram que os benefícios para a saúde de reduzir o consumo de carnes vermelhas e processadas são poucos e não suficientes para dizer às pessoas para deixarem de consumir este tipo de carne.

O estudo já foi contestado por diversos investigadores da Universidade de Harvard, que em comunicado defendem que este novo trabalho “prejudica a credibilidade da ciência da nutrição e desgasta a confiança pública na investigação científica”.

10 alimentos que aumentam o risco de cancro
10 alimentos que aumentam o risco de cancro
Ver artigo

Esta é uma recomendação de saúde muito irresponsável

"Esta é uma recomendação de saúde muito irresponsável", disse Frank Hu, que lidera o departamento de nutrição da Escola de Saúde T.H. Chan, da Universidade de Harvard. "É desconcertante, dada a clara evidência dos danos associados ao alto consumo de carne vermelha", acrescentou.

Alguns críticos chegaram mesmo a pedir à Annals of Internal Medicine para não publicar este novo trabalho.

Dos 14 autores do estudo agora publicado, 11 recomendaram ao público que mantenha os hábitos de consumo de carnes vermelhas e três expressaram apenas uma “leve sugestão” para que se reduza o consumo.

Estudo questiona diretrizes da OMS

Os investigadores questionam as diretrizes da Organização Mundial da Saúde, assim como as da Sociedade Americana Contra o Cancro e da Associação Americana do Coração, que durante anos defenderam que as carnes vermelhas e processadas aumentam o risco de doenças cardiovasculares e de alguns tipos de cancro.

10 formas de obter proteínas sem comer carne
10 formas de obter proteínas sem comer carne
Ver artigo

"A certeza para demonstrar essas reduções de risco foi baixa e muito baixa", disse o epidemiologista da Universidade de Dalhousie (Canadá), Bradley Johnston, líder do grupo de pesquisadores, denominado NutriRECS.

Os investigadores indicaram ainda que os benefícios de reduzir o consumo apenas se percebe ao considerar grandes amostras de população, pelo que recomendar às pessoas que mudem os seus hábitos não é necessário.

"Eles não estão a dizer que a carne tem menos riscos, o que eles dizem é que o risco com o qual todos concordam é aceitável para as pessoas", disse à CNN Marji McCullough, diretor de epidemiologia da Sociedade Americana Contra o Cancro.

Saiba mais neste vídeo: Devemos mesmo evitar a carne vermelha?

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.