A PrEP existe atualmente sob a forma de comprimidos. É utilizada por pessoas que não estão infetadas com o VIH e com o objetivo de reduzir o risco de infeção.

Para as pessoas com risco acrescido de adquirir a infeção, nomeadamente entre parceiros em que um tem o vírus e outro não, em utilizadores de drogas injetáveis, e em pessoas com múltiplos parceiros sexuais, a PrEP é eficaz utilizando uma combinação de duas substâncias: o tenofovir DF e a emtricitabina.

A PrEP está disponível, atualmente, em alguns países, enquanto instrumento de prevenção da infeção e demonstrou um impacto muito importante na redução da incidência de VIH.

A PrEP apenas protege as pessoas em relação à infeção por VIH e não confere proteção em relação a outras infeções de transmissão sexual, pelo que o uso correto do preservativo feminino ou masculino continua a ser uma medida robusta de prevenção e, como tal, não pode ser descurada.

O que é o vírus da imunodeficiência humana (VIH)?

O VIH é o vírus da imunodeficiência humana que pode causar SIDA. O vírus ataca e destrói o sistema imunitário do organismo, isto é, destrói os mecanismos de defesa e proteção contra doenças. Existem dois tipos de VIH: o VIH-1 e VIH-2, sendo o primeiro o mais frequente em todo o mundo.

O que é a SIDA?

SIDA significa síndrome de imunodeficiência adquirida. É um conjunto de sinais e de sintomas que aparecem pela deficiência do sistema imunitário, que vai ficando com menos capacidade de resposta ao longo da evolução da doença. Pode surgir após a infeção por VIH.

Estar infetado com VIH não é o mesmo que ter SIDA. As pessoas que estão infetadas com VIH são seropositivas e podem ou não desenvolver SIDA.

A PrEP está atualmente disponível em Portugal nos hospitais que integram a rede de referenciação hospitalar para a infeção por VIH, sendo a sua prescrição realizada por médicos especialistas, após avaliação do risco de aquisição de infeção por VIH e de outras infeções sexualmente transmissíveis, mediante o consentimento informado da pessoa.

A PrEP envolve tomar medicamentos específicos contra o VIH e tal como acontece com outros antirretrovirais, pode causar efeitos secundários, incluindo náuseas, cansaço, sintomas gastrointestinais e dor de cabeça. Existem igualmente algumas preocupações em relação à função renal e à densidade mineral óssea.

O que é a profilaxia pós-exposição (PPE)?

A PPE consiste na toma de medicamentos antirretrovirais durante 28 dias seguidos e deve ser iniciada nas horas seguintes à exposição de risco (entre 24 horas a 48 horas). Tem como objetivo evitar a infeção através da toma de medicação antirretroviral.

A quem se dirige?

A profilaxia pós-exposição da infeção por VIH aplica-se a pessoas que estejam em risco de contrair VIH em contexto ocupacional (em contexto profissional, nomeadamente de saúde como é o caso de médicos, enfermeiros, assistentes operacionais ou outros técnicos de saúde) e não ocupacional (relações sexuais, ou por via parentérica).

A PPE é uma medida de emergência para prevenir a infeção por VIH, após uma possível exposição ao vírus.

Para aceder à PPE, deve dirigir-se ao serviço de urgências de um hospital que integra a rede de referenciação de tratamento da infeção por VIH.

Um médico vai avaliar o possível risco de infeção e a pertinência ou necessidade de prescrever a PPE.

Lembre-se: proteja-se e proteja quem lhe é mais próximo. A infeção pelo VIH pode demorar 15 anos a manifestar-se

Os 16 sintomas do VIH/Sida mais comuns

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.