Para assinalar o Dia Mundial das Doenças Raras, a cadeia de clínicas especializadas em ortodontia invisível Impress desvenda cinco patologias raras associadas aos dentes e explica o que as torna tão diferentes:

1. Anodontia

A anodontia caracteriza-se pela ausência parcial ou total de dentes devido a problemas genéticos. Este é um problema que se refere à falta de dentes não por acidentes ou cáries, mas sim por problemas de malformação dentárias que levam a que existam pessoas que crescem sem os 32 ou 28 dentes habituais;

2. Talon Cusp

Esta anomalia rara resulta no crescimento de uma extensão do dente, normalmente na parte de trás dos incisivos ou caninos, associada à forma do calcanhar de uma garra de águia. Esta doença pode causar problemas como a má oclusão, falta de espaço na boca e irritação das gengivas, bochechas e língua;

3. Geminação dentária

Também conhecida como “dente duplo”, esta doença dentária caracteriza-se pela existência de um dente anormalmente grande, que parece ser constituído por dois dentes. Esta doença é das mais raras, com 0,05% a 0,1% apenas da população a sofrer desta anomalia;

4. Hiperdontia

Contrariamente à anodontia, esta doença traduz-se numa anomalia no desenvolvimento dentário que faz com que uma pessoa tenha um número excessivo de dentes. Em todo o mundo, estima-se que entre 2% a 3% da população tenha mais do que os 32 dentes habituais;

5. Anquilose dentária

A anquilose dentária é outra das doenças raras associadas a problemas dentários onde se testemunha a fusão de um dente ao osso alveolar. Esta anomalia, além de um impacto menos positivo ao nível estético, impede o desenvolvimento do dente e, consequentemente, o seu movimento ortodôntico.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.