Após reunião do Comité de Emergência, a Organização Mundial de Saúde (OMS) concluiu que é prematuro avançar com uma declaração de emergência de saúde pública global por causa do novo coronavírus identificado na China.

De acordo com a OMS, uma emergência global de saúde pública define-se como "uma situação excepcional que é determinada por constituir um risco público de saúde para outros Estados devido à transmissão internacional da doença e por, potencialmente, necessitar de uma resposta coordenada a nível internacional".

Perguntas e respostas: O que precisa de saber sobre o novo coronavírus
Perguntas e respostas: O que precisa de saber sobre o novo coronavírus
Ver artigo

Após dois dias de reuniões na sede da OMS em Genebra, o comité de emergência formado por médicos especialistas de vários países e convocado pelo diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, descartou, por enquanto, o possível alerta internacional receando que "seja demasiado cedo". A OMS reserva a possibilidade de reunir o comité no futuro para discutir novamente uma eventual emergência internacional, o que implicaria a implementação de medidas preventivas a nível global.

Esta tarde, subiu para 18 o número de mortos por causa do novo coronavírus. As autoridades daquele país anunciaram também esta quinta-feira a primeira fatalidade fora do epicentro das infeções, Wuhan, uma cidade de 11 milhões de pessoas. A vítima é um homem de 80 anos, morador dos arredores de Hubei, mas já na província de Hebei.

vírus ja chegou a pelo menos outros oito países: Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão, Singapura, Taiwan, Arábia Saudita, Tailândia, Vietname e também às regiões de Macau e Hong Kong. Há ainda suspeitas de casos em França, México, Filipinas, Austrália e Escócia.

Aeroportos de todo o mundo estão a tomar medidas de prevenção.

Entretanto, hoje, o palácio imperial em Pequim fez saber que a Cidade Proibida de Pequim será fechada no sábado até novo aviso "para evitar a infeção causada pelo ajuntamento de pessoas", afirmou a fonte através da sua conta oficial no Weibo, o Twitter chinês.

Há três cidades chinesas isoladas - Wuhan, Huanggang e Ezhou -, uma medida que partiu do Governo central para travar a propagação do vírus. O aeroporto de Wuhan encerrou o tráfego aéreo esta manhã. Os transportes públicos naquelas três localidades estão suspensos.

Comissão Europeia disse hoje estar a acompanhar a situação, garantindo estar pronta para adotar medidas preventivas.

Coronavirus
Pessoas protegem-se com máscaras junto à estação de comboios de Pequim, China créditos: NOEL CELIS / AFP

“A Comissão está a acompanhar a situação de forma bastante próxima e continuamos a coordenar as medidas que podem ser necessárias a nível da UE”, declarou o porta-voz do executivo comunitário Stefan de Keersmaecker, em conferência de imprensa em Bruxelas.

Vírus: Aeroportos em todo o mundo tomam precauções contra surto
Vírus: Aeroportos em todo o mundo tomam precauções contra surto
Ver artigo

Diretora-geral da Saúde diz que autoridades estão atentas

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, esteve esta manhã na Rádio Renascença para explicar a posição das autoridades portuguesas face ao surto de coronavírus. Segundo a médica especialista em Saúde Pública, Portugal é dos melhores países a conter epidemias.

"O nosso país tem uma estrutura de saúde pública muito bem implantada. Estamos entre os 20 ou 30 países, do ponto de vista da capacidade instalada de serviços, melhores do mundo", disse.

Graça Freitas pediu "tranquilidade" e garantiu que "as autoridades estão atentas" ao surto. "É melhor estarmos preparados e, se não acontecer, ficarmos gratos à natureza, aos factos, aos médicos e às autoridades de saúde, que conseguiram conter o surto. Mas temos de estar prontos para o que der e vier", defendeu.

vírus está ainda a ser monitorizado pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças, organismo europeu que identifica ameaças para a saúde e que já aumentou o risco de este vírus entrar na UE de baixo para moderado.

Os primeiros casos do vírus “2019 – nCoV” apareceram em meados de dezembro na cidade chinesa de Whuan, quando começaram a chegar aos hospitais pessoas com uma pneumonia viral. Percebeu-se que todas as pessoas trabalhavam ou visitavam com frequência o mercado de marisco e carnes de Huanan, nessa mesma cidade.

Morcegos e cobras podem estar na origem do novo coronavírus
Morcegos e cobras podem estar na origem do novo coronavírus
Ver artigo

Ainda se desconhece a origem exata da infeção, mas terão sido animais infetados, que são comercializados vivos, a transmiti-la aos seres humanos.

Os sintomas destes coronavírus são mais intensos do que uma gripe e incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias, incluindo falta de ar.

Os coronavírus são uma larga família de vírus que vivem noutros animais (por exemplo, aves, morcegos, pequenos mamíferos) e que no ser humano normalmente causam doenças respiratórias, desde uma comum constipação até a casos mais graves, como pneumonias. Os coronavírus podem transmitir-se entre animais e pessoas. A maioria das estirpes de coronavírus circulam entre animais e não chegam sequer a infetar seres humanos. Aliás, até agora, apenas seis estirpes de coronavírus entre os milhares existentes é que passaram a barreira das espécies e atingiram pessoas.

O que é um coronavírus? Veja em vídeo

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.