“A EMA acabou de recomendar que seja dada uma autorização condicional de introdução no mercado à vacina da Janssen contra a covid-19 para pessoas maiores de 18 anos”, anunciou a agência na sua conta na rede social Twitter.

Esta é a quarta vacina aprovada na UE, faltando agora a luz verde da Comissão Europeia para que entre no mercado.

O executivo comunitário, por seu lado, já reagiu adiantando, na mesma rede social, que deverá conceder rapidamente uma autorização condicional de introdução no mercado à vacina da Janssen contra a covid-19 para pessoas maiores de 18 anos.

Está previsto que Portugal receba 4,5 milhões de doses este ano da vacina desenvolvida pela Janssen, farmacêutica que é a subsidiária europeia da Johnson & Johnson.

Segundo um comunicado do Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento), esta vacina “é composta por um vetor viral, baseado em adenovírus que foi modificado, de forma a conter o gene responsável pela produção da proteína ‘spike’, uma proteína do vírus SARS-CoV-2, necessária para entrar nas células do corpo”.

“A vacina da Janssen não contém o próprio vírus e não pode causar covid-19”, sublinha o Infarmed, entidade responsável pela introdução de medicamentos em Portugal.

Ao contrário das outras três vacinas da covid-19 que já estão a ser administradas, a da Johnson & Johnson é de toma única e exige uma menor capacidade de frio para o seu transporte e armazenamento.

No âmbito do compromisso da farmacêutica com a Comissão Europeia, está previsto que Portugal receba, ao longo do segundo trimestre, os primeiros 1,25 milhões de vacinas da Janssen que fazem parte de um lote de 4,5 milhões que o país deverá ter disponíveis ao longo deste ano.

Até hoje, a EMA tinha dado `luz verde’ apenas a três vacinas contra o vírus SARS-CoV-2: a da Pfizer/BioNTech (também conhecida como Comirnaty), em 21 de dezembro de 2020, a da Moderna, em 06 de janeiro, e da AstraZeneca, em 29 de janeiro.

A EMA já iniciou também a “análise contínua” da vacina russa contra a covid-19, a Sputnik V, para determinar a sua conformidade com os requisitos da UE em matéria de eficácia, segurança e qualidade.

A pandemia de COVID-19 provocou, pelo menos, 2.621.295 mortos no mundo, resultantes de mais de 117,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.